icons.title signature.placeholder Rafael Bullara
18/11/2014
07:02

Rogério Ceni tornou-se o atleta que mais vezes vestiu a camisa do São Paulo em 2005 quando passou outro goleiro, Waldir Peres. Desde então, ele quase dobrou o número de partidas do antecessor e ao triunfar no centésimo clássico no estádio do Morumbi contra o Palmeiras, no último domingo, alcançou mais uma marca impressionante pelo clube.

Ceni conquistou a sua vitória de número 618 no Tricolor e passou o que Waldir tem em jogos, 617. Quando igualou a marca de partidas há nove anos, mais precisamente dia 23 de julho, contra o São Caetano no estádio do Morumbi era quase impossível imaginar que o ele pudesse superar só em triunfos o que o segundo da história tem em apresentações.

– Fico muito feliz por essa situação. Isso é fruto da oportunidade dele ter ficado um longo tempo no mesmo clube, o que é muito difícil atualmente. Eu joguei até os 39 anos e quando parei tinha condição de atuar por mais algum período, mas não estava em time grande, não tinha motivação. Certamente isso dificultou para eu seguir atuando – afirmou Waldir Peres ao LANCE!Net.

Conhecedor da posição, ele acompanha os jogos do São Paulo e, assim como o técnico Muricy Ramalho, acredita que ainda é possível ver Ceni em alto nível no ano que vem.

– Eu tenho visto (as partidas) e ele está muito bem. A equipe toda está muito bem e isso ajuda. Faz grande campanha no Brasileiro e Sul-Americana. Da maneira que o São Paulo tem jogado, dá para ele atuar mais um ano e tem Libertadores. Acho que está balançado - reforçou.

No ano passado a situação do time era totalmente oposta. O Tricolor correu sério risco de rebaixamento na competição nacional e na Sul-Americana acabou eliminado pela Ponte Preta. Mesmo assim o goleiro decidiu renovar. A atual condição é o que motiva Waldir Peres a acreditar em sua permanência em 2015:

– Ele ficou após o último ano e agora tem muito mais ainda, afinal a fase é totalmente diferente. Ele leva a profissão muito a sério.

Apesar do coro pelo "fico" entoado também pela torcida na arquibancada do Morumbi, a direção do clube mantém a programação para aposentadoria do ídolo, inclusive com o lançamento da camisa comemorativa do adeus.