icons.title signature.placeholder Felippe Rocha
19/04/2014
07:30

Uma das maiores promessas dos anos 1990 morreu em um acidente há exatos vinte anos. No fim de semana em que havia se encontrado com dirigentes do Stuttgart, Dener deixou saudades em seus fãs e na família. O meia atuou pela Portuguesa, pelo Vasco, pelo Grêmio e pela Seleção Brasileira, mas, apesar de admitir a realização do marido em cada momento de sua carreira, Luciana Gabino, viúva do craque, acredita que o período mais feliz foi em Porto Alegre.

- No Grêmio, eu acho. Moramos lá e fiquei gravida do Matheus lá. O clube, para mim, foi melhor na carreira dele. Não sei se pelas cachorradas da Portuguesa e do Vasco, porque eles (Grêmio) foram muito honestos... mas acho que ele gostou muito de jogar lá. Na Portuguesa sempre tinha brigas com alguém da diretoria. No Vasco, apesar de tudo, ele estava encantado. Tinha o sonho de jogar no Maracanã - comenta.

O fatídico dia 19 de abril de 1994 ainda está na vivo para Luciana. Ela lembra que estranhou o fato de o meia ir para São Paulo de Carro após o encontro com representantes do Stuttgart, da Alemanha, que gostariam de contar com seu futebol.

- Era um sábado e ele me ligou da concentração. dizendo que iria jantar com um pessoal da Alemanha. Mas iria para São Paulo mesmo assim, como fazia sempre que possível. Até porque precisava ir na Portuguesa, que lhe devia. Eu perguntei: você vai vir de carro? Ele disse que o Otto, que era amigo do Edmundo, do Romário e virou amigo dele, se prontificou a dirigir. Eles voltariam de São Paulo para o Rio de domingo para segunda-feira. Eles passaram na casa da mãe do Dener e disse que por volta de 5h estaria no Rio e ligaria de volta - lembra.