icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
29/04/2014
15:31

Nesta terça-feira, o australiano John Coates, vice-presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), criticou os preparativos para a Olimpíada de 2016 no Rio de Janeiro. Coates disse à rede inglesa BBC que "são os piores" preparativos que ele viu na história recente dos jogos e isso obrigou o COI a tomar medidas "sem precedentes" para garantir que a competição vai acontecer.

- A situação é crítica - afirmou o vice-presidente em uma participação do fórum olímpico realizado em Sydney, na Austrália.

Uma das medidas tomadas pelo órgão, foi o envio de peritos ao comitê organizador local. Mesmo assim, o COI garantiu que os jogos serão excelentes.

- Em 2016 o Rio organizará Jogos excelentes que serão entregues absolutamente dentro do prazo e dos orçamentos já anunciados - afirmou o órgão.

Coates comparou a situação vivida hoje no Brasil, com o atraso que também ocorreu nos jogos de Atenas em 2004.

- Acho que a situação é pior do que em Atenas (em 2004). Até agora, os preparativos da capital grega haviam sido os piores que eu já vi - analisou.

Coates possui 40 anos de experiência em Jogos Olímpicos e já foi chefe do comitê organizador local da Olimpíada de Sydney, em 2000. Ele ainda declarou que um dos peritos que viajou para o comitê local é um diretor de projetos de construção.

- O COI adotou uma postura de 'mãos na massa', o que é sem precedentes (na história da instituição), mas não há plano B. Nós estamos indo para o Rio - afirmou o australiano.

- Nós temos de fazer acontecer e essa é a decisão do COI. Não podemos simplesmente ignorar essa situação - acrescentou ele.

Em 2004, a Olímpíada de Atenas foi marcada por muitos atrasos nos preparativos, mas a infraestrutura dos jogos e os locais de competição foram entregues dentro do prazo.

Coates lembrou que a construção nem começou em alguns locais no Rio e que a cidade ainda possui "questões sociais que precisam ser resolvidas".

O COI também afirmou que "o trabalho em conjunto com as três esferas do governo: Federal, Estadual e Municipal, está funcionando".