icons.title signature.placeholder Aurino Leite, João Matheus Ferreira e Roberto Veloso
05/04/2014
06:00

"Meu escritório é na praia, eu tô sempre na área". O refrão acima não é de Felipe, mas da música Zóio de Lula, do extinto grupo de rock Charlie Brown Jr. No entanto, ela se encaixa muito bem com a fase atual do Maestro. Faça sol, faça chuva, o agora ex-jogador bate ponto diário na Praia do Pepê, na Barra da Tijuca, para jogar futevôlei, sua paixão, e praticar stand up paddle, seu novo hobbie.

Apesar da aposentadoria aos 36 anos, mantém a personalidade forte e a língua afiada. Seguro nas suas convicções, o ex-craque não tem medo do que fala. Pelo contrário. Com a certeza de que foi um grande jogador - ele lembra que o seu currículo já fala por si só -, Felipe recebeu o LANCE! para um bate-papo limpo, aberto e sincero. E na praia.

- Esse é meu escritório. Cheio de relíquias... (risos) - brincou, logo após ser interrompido por duas figuras para lá de peculiares.

Voltando ao papo, disse que ficará ligado na televisão e na torcida pelo Vasco, clube de coração, nesta decisão do Carioca. Ao mesmo tempo, admitiu que foi com a camisa do Flamengo onde viveu momento de “estrela principal” no futebol. Agora aposentado, Felipe ainda diz que tem bom relacionamento com as duas torcidas, embora tenha perdido todas as finais contra o Rubro-Negro, mas superado o Cruz-Maltino na decisão do Estadual de 2004. E pelo Fla...

Sobre o fim da carreira, ele acredita que ainda poderia estar jogando. Pelo menos, até o fim do ano. Como as conversas com o Vasco não avançaram e, sem querer sair do Rio, achou melhor se aposentar e curtir a vida.

- Acho que tinham pessoas que não queriam a minha volta. Mas não tenho o que lamentar. Apenas agradeço ao Vasco por tudo - disse.

TORCIDA NA DECISÃO
“Estou torcendo para o Vasco. Mas tenho boa relação com o Flamengo, assim como todos os clubes que joguei. Isso mostra que, onde passei procurei ser o melhor profissional possível. Claro que o futebol é movido à paixão, mas não esqueço nunca onde fui criado. Espero que o Vasco consiga esse título.”

MELHOR FASE DA CARREIRA
“Depende. É complicado. Todo mundo pergunta isso. Tive grandes momentos no Vasco. É porque quando joguei lá tinha craque do goleiro ao ponta esquerda, pô! Dividia as atenções e eu ainda jogava de lateral-esquerdo. No Flamengo, joguei quase de atacante, camisa 10. Camisa do Zico. Então, é complicado falar.”

O 'CARA' NO FLAMENGO
“Realmente, lá vivi um grande momento. Minha responsabilidade era muito grande, eu era uma peça importante. Quando eu estava bem, o time jogava bem. O Abel sabia disso e me dava total liberdade.”

ESTIGMA DE VICE
"Isso nunca me incomodou. É cultura e vocês da imprensa adoram botar isso. Quanto mais ibope, melhor, né? (risos). Essa gozação faz parte. Na final, você não tem favorito. Já perdi do Flamengo com times superiores e assim já ganhei também."

FAMÍLIA CONTRA NO FLA
"Não, de maneira alguma. Tentaram falar que meu pai ficou chateado comigo. Mas minha família é Felipe Futebol Clube. Se eles realmente gostam de mim, têm que me apoiar. Hoje tenho filho e sei como é isso."

CAMISA DO FLA NO CHÃO
"Eu não joguei a camisa no chão. Apenas comemorei um golaço que tirou o time do rebaixamento. Mas cada um interpreta como quiser..."

APOSENTADORIA
"Resolvi parar porque já estava na hora. Até poderia jogar este ano, mas fiquei parado três meses, recebi convites de fora, mas achei melhor ficar no Rio pela família. Eles já fizeram muito sacrifício por mim, morar fora e etc. Houve conversa com o Vasco. Gostaria de jogar esse ano, mas não chegamos a um acordo."

'TRAIÇÃO' DE DINAMITE
"Fui à casa do presidente com o meu empresário e pedi para ficar. A resposta foi que ele estava comigo. No dia seguinte eu estava fora..."

MÁGOA
"Não! A única coisa que não vão poder tirar é que sou o maior vencedor da história do Vasco. Sempre honrei a camisa. O que me deixou chateado é que ele disse que contava comigo e fez outra coisa. Mas isso acontece. Já aconteceu com outras pessoas do Vasco também. Ele vai muito pela cabeça das pessoas..."

JOGO DE DESPEDIDA
"A despedida pode acontecer daqui a dois, três, quatro anos. Com o Edmundo foi assim. O jogo aconteceu uns três anos depois. De repente, faço até com outra diretoria."

GESTÃO DINAMITE
"O Vasco poderia estar muito melhor. Mas não vem só dessa administração. Não adianta crucificar o Dinamite. O Vasco não mudou. Desde que eu entrei, há 30 anos, não mudou nada. Tem muita coisa abandonada. A quadra que joguei está largada. É difícil ver o Vasco nessa situação. O futebol carioca está muito abandonado. A estrutura da divisão de base é ruim. Para revelar jogadores está complicado. Essa tinha que ser a saída. FOrmar para vender e ter caixa."

VOTAR EM DINAMITE
"Ele não é candidato (risos)."

VOTAR EM EURICO
"Não estou por dentro. Não posso dizer em quem votaria. Não sei nem quem são os candidatos."

ROTINA DE 'APOSENTADO'
"Acordo cedo, levo meus filhos para a escola. Depois, venho aqui pra praia, jogo meu futevôlei, que é minha terapia, e faço um treino funcional (exercícios na areia). Agora, estou começando no stand up paddle (remar em pé em uma prancha)."

HISTÓRIA NO FUTEBOL
"No somatório de tudo, fiz uma história legal que vale mais do que os títulos no futebol. Por onde passei, deixei carinho. Se perguntarem em qualquer clube, acredito que 90% vão dizer que gostam de mim. Isso é o que vou levar, o respeito e admiração por parte dos meus companheiros."