icons.title signature.placeholder Frederico Ribeiro
07/12/2013
07:00

'Faca e o queijo na mão'. O torcedor Frederico Paco jamais imaginaria que de uma brincadeira feita com o pai se tornaria verdade através de sua paixão pelo Atlético-MG. Quando Marrocos foi escolhido sede do Mundial de Clubes nas edições de 2013 e 2014, o estudante sonhou em ver o Galo disputando o torneio e, de quebra, visitando suas origens. Isso porque François Meslouhi, Chef e DJ - conhecido artisticamente como Paco Pigalle - nasceu no Marrocos e, apesar de ter vivido na França e constituir família no Brasil, passou a infância em terras africanas.

- Vai ser minha primeira vez no Marrocos. Já haviamos chegado bem perto, quando viajamos para Málaga. Só que acabou não dando. Agora surgiu a oportunidade perfeita. É sim uma volta às origens motivada pelo grande fato do Atlético disputar o Mundial de Clubes. Foi a faca e o queijo na mão. Viagem que sempre quis fazer e até brinquei com meu pai, quando fiquei sabendo que Marrocos sediaria o Mundial, que não haveria hora perfeita para o Galo ganhar a Libertadores. Ele já topou na hora em fazermos a viagem.

Fred Paco levará a namorada na viagem junto com o pai. François explicou que eles irão por conta própria e usaram um voo do Brasil para Lisboa. Depois, descerão até o estreito de Gibraltar.  De lá, seguirão para Casablanca até chegar em Marrakesh. Com contatos fortes no Marrocos, François conseguirá arrumar ingressos para a semifinal e a final do torneio, nos dias 18 e 21 de dezembro.

O marroquino explicou que sofreu um processo reverso no futebol. Não foi o pai que influenciou o filho na escolha do time e, sim, o contrário. Mas François não é fanático. Como todo bom franco-marroquino, François gosta de futebol, mas só acompanha o Atlético por conta do filho. Porém, sem o mesmo fanatismo.

- Sou atleticano, mas nunca liguei para o futebol. Quando cheguei no Brasil, as pessoas me perguntavam para quem eu torcia e dizia que era para nenhum time. Eles se espantavam, não aceitavam, então eu gosto do Atlético por causa do Fred (Paco). Mas, sinceramente, não sei dizer mais do que cinco ou seis nomes de jogadores.

De qualquer forma, a viagem baseada no futebol servirá para reviver a infância de François e ensinar a Frederico Paco suas origens. Mas tudo indica que Fred não se sentirá mais confortável do que outros atleticanos. François garantiu que, mesmo em um país mulçumano, o Marrocos se aproxima do Brasil em termos de hospitalidade.

- É um país que parece com o Brasil em termos de recepção. O marroquino, frente à outros países árabes, é muito caloroso. Lógico que há algumas restrições (bebida alcóolica, por exemplo)