icons.title signature.placeholder Gabriela Abrunheiro
06/02/2015
17:46

Em entrevista coletiva realizada na tarde desta sexta-feira, em São Paulo, o Ministério Público deixou claro que a decisão de realizar o clássico entre Palmeiras e Corinthians com torcida única, no próximo domingo, é uma maneira de punir os torcedores organizados e que, dependendo do sucesso da medida, pode se estender a outros clubes.

Segundo o promotor de justiça do Juizado Especial Criminal da Família, Paulo Castilho, é preciso diminuir a ação da torcida organizada.

- Isso é uma maneira de punir a torcida organizada, chamar a atenção dela. Ela terá que se reiventar, não há mais espaço para ela, eles acham que sem torcida organizada o futebol vai acabar - disse o promotor.

Fazendo coro à Polícia Militar, tanto Castilho, quanto o promotor de Justiça do Consumidor, Roberto Senise, acreditam que a medida é um experimento e caso aconteça com sucesso pode continuar com outros clubes e outros campeonatos.

- Essa medida pode se extender para qualquer clássico disputado na capital, independentemente do campeonato. Se as torcidas continuarem se comportando como facções criminosas - garantiu Castilho.

Apesar disso, Senise rebateu as acusações de que o Ministério Público estava indo pelo caminho mais fácil.

- Não é uma decisão mais fácil, nem correta. É a medida necessária. E uma atitude que existe uma análise completa da situação. Para isso houve todo um estudo, todo um diálogo, era necessário tomar essa medida nesse momento - disse Senise.