icons.title signature.placeholder Guilherme Borini
24/06/2014
17:01

Subir em árvores, telhados, tijolos, espiar pelos buracos da parede, ou até escalar uma antena de TV. Vale tudo para tentar ver Cristiano Ronaldo e companhia de perto. Afinal, não é sempre que o gramado do CT da Ponte Preta, em Campinas, recebe tantos craques como neste período de Copa do Mundo, em que a seleção de Portugal realiza a preparação no local. E o treino desta terça-feira pode ter sido o último na cidade, já que os portugueses viajam ainda nesta terça para Brasília, sede do último jogo da equipe na primeira fase, contra Gana, e têm chances remotas de classificação às oitavas de final.

Aproximadamente dez pessoas, a maioria garotos, conseguiram ver algumas das jogadas trabalhadas secretamente pelo técnico Paulo Bento. Como de costume, apenas os 15 minutos iniciais do trabalho foram aberto à imprensa, mas, para estes torcedores, foi um treinamento aberto.

A cada jogada, os torcedores se manifestavam, como se estivessem em uma arquibancada.

- Olha o drible do Cristiano Ronaldo. Olé! - gritou um dos garotos, após alguma boa jogada do astro português.

- Que "caneta" tomou o Pepe agora. Que cara ruim - brincou o outro.

Dentro de campo, na parte aberta aos jornalistas, os quatro jogadores lesionaodos - Rui Patrício, André Almeida, Hugo Almeida e Hélder Postiga apenas correram em volta do gramado enquanto o restante dos atletas realizou trabalhos de movimentação.

Jogadores lesionados de Portugal correm em volta do gramado, ao lado do fisioterapeuta da seleção (Foto: Guilherme Borini) 

Vetados pelo departamento médico, os quatro jogadores serão os desfalques do técnico Paulo Bento para enfrentar Gana, quinta-feira, às 13h. Por outro lado, a boa notícia é o retorno do zagueiro Pepe, após cumprir suspensão.

Para conseguir a classificação às oitavas de final, a seleção de Portugal, que soma apenas um ponto no grupo G, precisa vencer e torcer para que haja um vencedor no jogo entre Estados Unidos e Alemanha - ambos têm quatro pontos. De preferência os americanos, já que o saldo de gols dos portugueses é de quatro negativos, contra um positivo dos americanos e quatro positivos dos alemães.