icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
03/07/2014
16:18

A Seleção Brasileira ainda não engrenou a ponto de conquistar a inteira confiança do torcedor. Um nome conhecido na Gávea, porém, vai se destacando, principalmente após garantir a vitória nos pênaltis diante do Chile: Júlio César, antigo goleiro do Flamengo e torcedor declarado do clube, que está atuando no pouco reconhecido futebol canadense, vem tendo o nome especulado no Rubro-Negro. Paulo Victor, titular da posição, não mostra abalo com os rumores e não hesita em rasgar elogios ao arqueiro do Brasil.

- Tranquilo, no futebol temos espaço para mostrar o nosso trabalho. o Júlio César é um grande goleiro, é fantástico. Temos que saber que ele é um goleiro acima da média, titular de Seleção Brasileira em Copa do Mundo, e seria um prazer trabalhar com ele. Não chegamos a trabalhar juntos, pois quando subi da base ele tinha acabado de ser vendido - afirmou.

A admiração por Júlio é antiga. O ex-goleiro da Internazionale (ITA) está na lista das principais referências de Paulo Victor na carreira, dividindo o posto com outros atletas consagrados na posição e também com passagens pela Seleção.

- Sempre disse que sou fã do Marcos, que era do Palmeiras, e não posso deixar de falar do Júlio César e Rogério Ceni, que são fantásticos também. Acompanhei o Marcos desde pequeno; sobre o Rogério Ceni, o futebol tem que agradecer a ele, porque mostrou a importância dos goleiros começarem a usar bem os pés; e o Júlio jogou bastante tempo no Flamengo e também é muito bom - elogiou.

Das três principais inspirações de Paulo Victor, duas se consagraram atuando por um único clube, ambos paulistas: Marcos, no Palmeiras, e Rogério Ceni, no São Paulo. Perguntado se também pretende seguir esse rumo, o arqueiro não negou, mas mostrou cautela:

- Não sabemos o dia de amanhã. São nove anos e meio de Flamengo e oito no profissional, mas deixamos nas mãos de Deus. Se for uma coisa vantajosa para o Flamengo e para mim, podemos pensar.

Com a lesão de Felipe, que fraturou uma costela, Paulo Victor assumiu a titularidade no gol do Flamengo e tem a chance de conquistar de vez a confiança do torcedor para manter a posição. O goleiro, após o treino da manhã desta quinta-feira, em entrevista coletiva, também não deixou de falar sobre a oportunidade que está tendo.

- Tenho sempre tentando aproveitar as oportunidades e nada melhor que esse momento (de falta de concorrência), mas a gente tem que respeitar qualquer decisão (do treinador) - disse de forma cautelosa, em relação à ausência de Felipe, para depois negar que tenha conversas sobre titularidade com o antigo arqueiro principal da equipe: - Isso é uma coisa que é respeito, nós (Paulo Victor e Felipe) não precisamos conversar. É o trabalho, o dia a dia, e é o Ney Franco que temos que respeitar. Ele é o nosso comandante.

Confira outros assuntos abordados na coletiva de Paulo Victor:

TIME JOGANDO COM TRÊS ZAGUEIROS

O time está se acertando. O Ney Franco está buscando as melhores peças. Tivemos essa pausa para fazer com que o time jogue da maneira como ele quer e estamos trabalhando para tentar ganhar a confinaça dele.

GOLEIROS EM ALTA NESTA COPA

Isso foi um comentário nosso no treino de hoje, inclusive. O diferencial dessa Copa do Mundo tem sido os goleiros. Vemos o Júlio César, que é um grande goleiro, fazendo a diferença; vemos o goleiro do México (Ochoa)... Isso é bom para o nosso lado. Vemos os goleiros sendo um diferencial na partida, porque antes só víamos os meias e os atacantes.

O QUE VOCÊ PASSA PARA O GABRIEL, MENINO DE 16 ANOS QUE TREINOU NESTA QUINTA COM VOCÊS?

Primeiro passo que ele tem que segurar um pouquinho ainda para ser titular (risos). É um moleque muito bom, é um goleiro muito novo e que vemos que tem projeção grande, isso é legal. É legal trabalhar com um garoto assim, porque vemos o dia a dia dele, tendo uma experiência a mais como profissional. Ele tem que treinar pensando em voltar (a treinar entre os profissionais). É um garoto muito bom e tem tudo para ter uma carreira muito boa.

O CARINHO DO TORCEDOR É MAIOR COM VOCÊ E JÚLIO CÉSAR POR SEREM FORMADOS NO CLUBE? ISSO AJUDA A CONTINUAR NA TITULARIDADE?

Por mais que eu seja da base, vai sempre ter um torcedor que não vai preferir o Paulo Victor no gol. Eu respeito, tomo as críticas às vezes como um incentivo e sei que a torcida tem um carinho muito grande por mim. Isso que me motiva a ficar esses 8 anos, e se for preciso fico mais 8 anos, no Flamengo. É disso aí que o atleta precisa, é da confiança que o torcedor dá, e sei que não vou agradar todo mundo.