icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
26/11/2013
12:13

A despedida de Tite está cada vez mais perto. A proximidade do confronto com o Internacional, o último no estádio do Pacaembu como comandante do Corinthians, já mexe com o treinador. Na manhã desta terça-feira, em entrevista coletiva no CT Joaquim Grava, ele não escondeu a emoção. Questionado sobre como será a sua reação diante da torcida, no próximo sábado à noite, Tite foi sincero:

- Não sei, palavra que não sei. Há uma série de pessoas que ficam mandando e-mails, um reconhecimento que deixa a gente feliz, como pai, ex-boleiro, treinador, deixa bastante gratificado. A gratidão tem sido grande, vou ter uma dificuldade de jogar contra as pessoas que você conviveu tanto... É inevitável. Quero vivenciar cada momento - afirmou.

- Quero terminar bem, da forma digna, sentir orgulho do desfecho final, e ficar perto da família - completou.

Tite ficou com a emoção aflorada diante de algumas perguntas sobre a despedida e também sobre o futuro longe do Corinthians. O treinador revelou que pedirá ajuda à esposa para definir seu comportamento diante da torcida, neste sábado, no Pacaembu.

- Vou pedir ajuda para a minha mulher, para ela me dar alguma dica... Vou conversar com ela, a mulher tem uma sensibilidade mais aflorada, morder a língua não está servindo, não. Olhar para a bola, não está servindo. Quero ser espontâneo - lembrou.

Por fim, Tite revelou o que pretende fazer assim que as atividades no CT Joaquim Grava forem cessadas.

- Quero pedir para o Zagallo para sentir um momento com ele e ouvi-lo, quero falar com o (Carlos) Bianchi também. São dois técnicos de grandeza, eu quero interagir, quero entender, aprender, isso de forma mais recente. Depois, não sei o que farei - finalizou.