icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci
01/11/2014
08:10

Dono da terceira defesa menos vazada do Brasileirão, com 29 gols sofridos em 31 jogos, o Santos também é o time que mais desarma no campeonato. Segundo o Footstats, o Peixe tem média de 31 bolas roubadas por partida.

Os bons números, porém, não diminuem a preocupação do Peixe para o duelo de quarta-feira contra o Cruzeiro, valendo vaga na decisão da Copa do Brasil. Afinal, se os mineiros balançarem a rede, o Peixe terá de marcar no mínimo três vezes para passar de fase, por conta de o gol fora de casa ser critério de desempate na competição.

O desafio não é fácil. A Raposa levou mais de dois gols nessa temporada somente em três jogos (contando apenas os oficiais), contra Fluminense, Atlético-MG e Flamengo. O Rubro-Negro foi o único a conseguir um resultado que classificaria o Peixe quarta: 3 a 0.

Por outro lado, o retrospecto também mostra ao Alvinegro que sim, é possível. Em dez jogos desse ano o Cruzeiro passou em branco, sendo nove deles como visitante.

A média de gols sofridos pelo Santos na temporada é de 0,9 por jogo. Com Enderson, o número sobe um pouco: 1,1 por confronto.

O zagueiro Bruno Uvini, que será titular do mistão alvinegro que encara o Internacional neste domingo, na Vila, pelo Brasileiro, reconhece a dificuldade que o Peixe terá para frear o ataque da Raposa – o melhor do Brasileirão, com 54 gols anotados. Contudo, ele demonstra confiança na defesa para a semifinal.

– Nós conversamos bastante. Já jogamos mata-matas e sabemos o que acontece quando se precisa fazer gol e não levar, não é fácil. Porém, acreditamos que a defesa vai estar afiada. Além disso, aqui na Vila Belmiro nosso ataque costuma funcionar. Temos que estar firmes e confiar no nosso ataque!