icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
26/02/2015
19:19

Motivação não falta para Gleison Tibau pisar mais uma vez no octógono. Neste sábado, dia 28 de fevereiro, o brasileiro faz sua 25ª luta pelo UFC, se igualando ao ex-campeão Matt Hughes como segundo maior atleta em número de combates na organização, só atrás de Tito Ortiz, com 27. Porém, o UFC 184, que acontece na cidade de Los Angeles (EUA) ainda pode render ao potiguar mais uma marca, essa pessoal: caso supere Tony Ferguson, Tibau alcançará pela primeira vez no Ultimate a série de quatro triunfos. Para isso, ele confia na principal especialidade para ter o braço erguido ao final do embate.

Com 82 quedas no UFC, o faixa-preta de jiu-jitsu Tibau é o líder do ranking em quedas aplicadas no evento. A marca faz com que os adversários se preparem para frustrar os planos do atleta da American Top Team (ATT), mas o grappling tem sido a principal chave das vitórias do brasileiro. Contra Pat Healy, Piotr Hallmann e Norman Parke, mesmo com a notória evolução em pé, Tibau venceu graças ao seu contundente jogo de quedas. E a estratégia será repetida diante do novo desafio.

- O Ferguson é um cara bem perigoso, especialmente na trocação. Ele tem um bom jiu-jitsu também, defende bem as quedas, mas vou dar muita pressão na luta. Confio no meu grappling para vencer esse duelo, que é muito importante para mim. Venho quebrando recordes no UFC, e agora quero essa marca pessoal. Quero quebrar a barreira das quatro vitórias seguidas no evento para entrar de uma vez por todas no bolo dos melhores da categoria - avisou o potiguar que, antes de competir na franquia, emplacou uma sequência de sete vitórias em eventos nacionais, a maior de sua carreira.

Aos 31 anos, Tibau faz sua segunda luta só em 2015. No dia 18 de janeiro, em Boston, ele superou por decisão dividida dos juízes laterais Norman Parke, vencedor do TUF Smashes, em 2012. Agora, o desafio é novamente contra um atleta que conquistou uma edição do reality show do UFC. Em 2011, Ferguson conseguiu o contrato com o evento ao triunfar no TUF 13. Assim como Tibau, o americano está embalado na carreira. São quatro vitórias nas últimas quatro lutas, fato que deixa o embate ainda mais atrativo para o brasileiro.

- Eu gosto de estar sempre entre os melhores. Desde que cheguei ao UFC, em 2006, só tive pedreira pela frente, como Nick Diaz, Melvin Guillard, Caol Uno, Rafael dos Anjos, Khabib Nurmagomedov, entre outros. O UFC tem me dado grandes desafios, e isso me motiva muito. Me faz ir para a academia treinar com ainda mais vontade, com mais desejo pela vitória - explicou.