icons.title signature.placeholder Gabriel Cassar
17/02/2015
19:53

Um duplo 6/3 contra e Teliana Pereira, tenista brasileira melhor colocada no ranking mundial, acabou dando adeus ao torneio de simples feminino do Aberto do Rio 2015. A algoz da brasileira foi Sara Errani, cabeça de chave número 1 da competição, finalista de grand slam e atual número 14 do mundo. Ciente das dificuldades que teve no jogo, a pernambucana acredita que a instabilidade foi uma das principais causas de sua derrota.

- Hoje eu aprendi que não adianta jogar 5 ou 6 games bons, especialmente contra adversárias como a Errani. Isso não basta. É preciso ter foco e intensidade durante toda a partida e, hoje, eu não fiz isso. Joguei apenas uns 20 minutos dando o meu máximo e isso não pode.

A eliminação, no entanto, não desanima tanto Teliana, que se disse feliz por realizar partidas com jogadores top do circuito.

- Não é sempre que a gente enfrenta uma finalista de grand slam. Meu objetivo é jogar sempre com gente desse nível, estar no meio delas. 
Fico chateada pela eliminação, mas encaro o jogo como uma oportunidade, assim como foi com a Halep (em Wimbledon, no ano passado). Não tenho tantas oportunidades assim de jogar contra tenistas desse nível, então tento aproveitar ao máximo.

A participação de Teliana no Rio Open ainda não acabou. Ao lado de Beatriz Maia, a pernambucana estreia no torneio de duplas feminino, nesta quarta-feira, diante de Chan e Olaru.

- Sempre gostei muito de jogar em dupla. Ano passado, em função da minha condição física, acabei optando por só jogar simples, mas agora, como estou 100%, quero muito jogar. Nunca atuei ao lado da Bia, vai ser a primeira vez. O legal da dupla é justamente esse: troca de experiências, trabalhamos a devolução, o jogo de rede e o melhor de tudo: eu vou continuar no torneio, fazendo o meu trabalho. -, comemorou a brasileira.