icons.title signature.placeholder Michel Castellar
30/06/2014
17:19

O técnico da Nigéria, Stephen Keshi, abriu fogo contra a arbitragem do juiz americano Mark Genger que atuou na derrota da sua equipe para a França, por 2 a 0, nesta segunda-feira, no Estádio Nacional de Brasília - Mané Garrincha. Antes das críticas, o treinador foi enfático ao afirmar que nunca reclamou de árbitros mas que, no momento, era impossível.

Por várias vezes, Keshi indagou o porquê de o gol nigeriano, marcado aos 18 minutos da etapa inicial, por Emennike foi anulado. Na ocasião, a arbitragem anulou a jogada pelo fato de o jogador estar em posição de impedimento.

- Gostaria de saber por que aquele gol não valeu. Não houve violação ou nada que justificasse. O árbitro é humano e erros vão acontecer, mas não muitos. Não estou satisfeito - afirmou Keshi.

De acordo com o treinador nigeriano, só resta à equipe prosseguir e esquecer os erros do árbitro, porque não adianta mais reclamar. Sobre a partida, Keshi considerou que também faltou sorte à Nigéria.

O treinador classificou como excelente o desempenho da Nigéria. Ressaltou que os jogadores seguiram as orientações táticas, fizeram as jogadas, mas que acabaram eliminados por detalhes.

Ao ser indagado se teria arrependimento por não levar algum atleta para Copa do Mundo, Keshi afirmou que não. Mas lamentou não ter podido contar com o atacante Bright Dike, do Toronto FC, contundido.

- Ele poderia ter feito uma grande diferença em nossa equipe - considerou o treinador.