icons.title signature.placeholder Igor Siqueira e Thiago Correia
14/06/2014
18:27

O técnico da Argentina, Alejandro Sabella, não quer nem saber de uma palavrinha comum em Copas do Mundo, que começa com a letra F: Favoritismo. Mesmo que tenha a seus serviços um dos melhores jogadores do planeta, que é Lionel Messi, o treinador celeste procurou afastar essa ideia de ser favorito na última entrevista coletiva antes do jogo deste domingo, contra a Bósnia, no Maracanã.

- Não gosto da palavra favorito. Deixaremos para outros - disse o treinador, em coletiva na noite deste sábado.

Sabella ainda acrescentou - ao ser indagado sobre as atuações de Brasil e Espanha, devido ao fato de a seleção anfitriã ter levado um susto da Croácia e a atual campeã ter sido varrida pela Holanda - que existem perigos à vista diante dos Bósnios.

- O futebol está muito disputado. O primeiro jogo é muito difícil. A palavra favorito perde um pouco de peso. Temos que estar mais além. Não podemos errar. Não acho que tem um técnico que não quer um grande jogo. Todo técnico quer ganhar, porque está no centro dos olhos de outros. Tomara que o Senhor me dê sabedoria para tomar as decisões certas - afirmou.

E o fator Messi? Sabella garante importar-se em dar todas as condições para que ele apresente o máximo de si em campo.

- Quando se tem um jogador como Messi é preciso colocar as coisas para ter um ambiente propício para ele estar 100% - emendou.

Argentinos e bósnios se enfrentam no Maracanã às 19h deste domingo, pela primeira rodada do Grupo F da Copa do Mundo.