icons.title signature.placeholder Daniel Hippertt e Luiz Signor
06/04/2014
12:22

O domingo não será dia de finais apenas no Sudeste brasileiro. Os estaduais de Santa Catarina, Paraná, Goiás e Bahia também começam a ser decididos nesta tarde. E cada final conta com uma particularidade, em especial a que reunirá Londrina e Maringá. A dupla começa logo mais, a partir das 16h, a decidir o Campeonato Paranaense deste ano, no Estádio do Café. Um confronto inesperado por não reunir nenhum time de Curitiba.

O Ituano surpreendeu chegando à final do Campeonato Paulista contra o Santos. Mas não há como negar: surpresa mesmo é a decisão do Paraná. Nada do trio formado por Atlético, Coritiba e Paraná. Os dois primeiros foram superados pela dupla Londrina e Maringá, respectivamente. É a primeira final com dois times do interior desde 1992, quando o Londrina superou o União Bandeirante.

Time tradicional no Paraná – já foi até campeão da Série B do Brasileiro de 1980 –, o Londrina vem se reerguendo desde que a empresa SM Sports, de propriedade dos empresários Sérgio Malucelli e Juan Figger, assumiu a gestão do futebol do clube, em 2011. O time treina no CT da empresa, por exemplo. No mesmo ano, o Tubarão levou a Divisão de Acesso do Paranaense (Segundona) e, no ano passado, foi o campeão do Interior.

– Planejamento, estrutura, boas condições de trabalho e salários em dia. Esses fatores fizeram a diferença. A cidade voltou a ter orgulho do time e a torcida tem feito a diferença – destacou Alex Brasil, gerente de futebol do Londrina, ao LANCE!Net.

MARINGÁ: O NOVATO ABUSADO

O oponente do Londrina, que completou 58 anos de história neste sábado, surpreende pela evolução. Fundado em 2010 como Alvorada Club, o Maringá é debutante na elite do futebol paranaense após ter levado a Divisão de Acesso do ano passado. O time ainda soma a conquista da Terceirona logo no primeiro ano de existência.

– Tiramos dinheiro do próprio bolso para bancar o time na fundação, somos um bebê no futebol. Estamos vivendo um sonho – disse Maicon de Paula, gerente de futebol do clube, ao L!Net.

O primeiro objetivo do Maringá em seu primeiro ano na elite era a permanência na Primeira Divisão. Não poderia ser diferente.

– A nossa meta era se manter (na elite). A segunda meta era se garantir entre os classificados, e depois passou a ser campeão – destacou Maicon, antes de citar como os resultados estão aparecendo no clube:

– O segredo é o trabalho. O time só vem em ascensão. É um trabalho muito bem feito da comissão aos atletas. Estamos sempre com os pés no chão. Não prometemos nada que não podemos cumprir.

Resta saber qual time seguirá surpreendendo e largará na frente nessa inesperada e muito aguardada decisão.