icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
22/07/2014
19:18

Dunga foi apresentado na manhã desta terça-feira como novo técnico da Seleção Brasileira e ouviu garantias de José Maria Marin, presidente da CBF, que será o comandante da equipe na Copa do Mundo de 2018, na Rússia. Contratado há quatro anos, Mano Menezes ouviu promessa semelhante, mas acabou dispensado meses antes do Mundial deste ano, em que o Brasil foi eliminado com um 7 a 1 para a Alemanha sob o comando de Luiz Felipe Scolari.

Sucessor de Dunga na primeira passagem, o atual técnico do Corinthians preferiu não opinar sobre o retorno do treinador gaúcho à Seleção Brasileira. Questionado sobre a promessa de o trabalho perdurar por quatro anos, o que não ocorreu em sua passagem, Mano foi seco na resposta.

- Se as pessoas prometeram, temos que acreditar - afirmou.

Mano Menezes tem evitado o assunto Seleção Brasileira em suas entrevistas coletivas pós-fracasso na Copa do Mundo. Apesar de solícito, o treinador repete o mantra de que não dará declarações e nem fará críticas ao trabalho que o sucedeu. A ideia do comandante corintiano é conversar sobre ideias para melhorar o futebol brasileiro. Por isso, a violência praticada contra André Santos, seu ex-comandado no Corinthians e no Flamengo, também foi assunto da conversa com os jornalistas nesta terça-feira.


#MudaFutBr: confira a análise sobre o retorno de Dunga ao comando da Seleção Brasileira

> LEIA: "Um treinador que mostra descaso pelo futebol que nos deu cinco títulos mundiais"

- Seleção Brasileira é só a ponta final do futebol brasileiro, e não vamos corrigir nossos defeitos estruturais de cima para baixo. É óbvio que temos que discutir e chegar às novas ideias e não conviver com situações lamentáveis como essa - afirmou Mano, antes de completar.

- Não gostaria mais de falar sobre a Seleção Brasileira, já falei pra vocês. Penso que o assunto que possa me interessar e tenho compromisso de discutir é o futebol brasileiro. Seleção é parte disso e hoje está sendo dirigida por outro técnico. Vou aceitar conversar sobre futebol brasileiro, a parte mais ampla de tudo que queremos, que fizemos parte e temos que trabalhar para melhora