icons.title signature.placeholder Luis Fernando Coutinho
15/04/2014
13:55

Aos 31 anos, Stipe Miocic é um dos maiores nomes da divisão dos pesados do Ultimate. Nascido nos Estados Unidos e com descendência croata, o lutador é o principal representante da Croácia no UFC desde que a lenda Miko CroCop saiu de cena. Com cinco vitórias em seis apresentações no maior evento de MMA do mundo , Miocic se aproxima do maior passo de sua carreira. Vindo de dois triunfos consecutivos no evento, o atleta encara Junior Cigano na luta principal do evento que marca as finais do The Ultimate Fighter Brasil 3, dia 31 de maio, no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo.

Em entrevista ao LANCE!Net, Stipe fala sobre o duelo contra o brasileiro ex-campeão dos pesados. Acotumado a bater seus adversários na luta em pé, o croata-americano acredita que, diante de Cigano, boxeador nato, protagonizará um verdadeiro show de trocação.

- Junior é duro, o número um no ranking da divisão, já foi campeão... Ele é muito bom, talvez o cara mais perigoso da divisão, gosta de nocautear as pessoas. Mas não me intimido com isso. Também gosto de trocar e acho que será uma guerra em pé. Vou vencer, não importa como. Sei que vou passar por ele custe o que custar - declarou o atleta, em entrevista por telefone com o L!Net.

Ao ser perguntado sobre a expectativa para se apresentar em solo brasileiro, Miocic se mostrou animado e negou qualquer tipo de incômodo em relação a mudança que moveu o confronto de Las Vegas (no UFC 173, do 24 de maio) para São Paulo.

- É uma luta do mesmo jeito. Não me importo com isso, com torcida. É a mesma luta lá em Las Vegas ou no Brasil. Estou pronto para isso e preparado para enfrentar Cigano. Mas também estou animado pela torcida. São grandes fãs, os brasileiros são demais. Será um ótimo momento no Brasil e quero me divertir e aproveitar essa experiência - afirmou Stipe, que virá ao Brasil pela primeira vez.

Em sua última luta, Miocic venceu Roy Nelson na decisão  (FOTO: UFC)

Confira um bate-papo com Stipe Miocic
Você tem estudado os erros no jogo do Cigano através da última luta dele com o Cain Velásquez?
Na verdade, meu córner que faz esse trabalho. Mas estou certo de que eles já viram as lutas dele com o Velásquez e estão planejando algumas estratégias. Mas não penso muito nisso. Estou treinando duro. Assim como qualquer um, Cigano comete alguns erros. Sou um lutador, meu trabalho é saber explorar seus erros da melhor maneira possível. 

Você acha que uma vitória te credencia a uma chance pelo cinturão?
Seria ótimo, não sei se vai acontecer. O UFC muda tudo o tempo todo. É assim que o negócio gira. Mas estou preocupado apenas com Cigano no momento.

Como você vê a mudança nos treinos de Cigano, que agora se prepara na Nova União?
Era isso o que ele precisava fazer, mudar. Estou animado por isso, espero encontrar um novo Cigano, ainda mais difícil e inteligente. Ele fez o que precisa ser feito e espero que esteja pronto quando nos encontrarmos.

Você concorda que a categoria está em um momento de poucos concorrentes ao título?
A categoria está fraca. É isso o que você quer dizer (risos)? Não acho que esteja fraca, mas acho que temos bons nomes. Temos algumas opções boas de desafios, mas eles não estão bem no momento, então acaba deixando a impressão de que está vazia.

Stipe soma seis lutas e cinco vitórias no Ultimate (FOTO: UFC)

Qual sua opinião sobre o futuro de Minotauro no UFC?
Ele foi pego por uma mão direita, a vida é assim. Ele é uma lenda, amo vê-lo lutar, ele é demais. Ele pode se virar com o que quiser fazer no esporte. Ele pode. Ele fez o esporte ser o que é hoje.

Gostaria de deixar uma mensagem aos fãs brasileiros?
Estou animado por lutar diante de vocês, mal posso esperar para dar um grande show.