icons.title signature.placeholder Luis Fernando Coutinho
icons.title signature.placeholder Luis Fernando Coutinho
23/08/2015
12:20

Felipe Sertanejo encara neste domingo o haitiano-canadense Yves Jabouin, em confronto válido pelos galos do Ultimate. Será a estreia dele na divisão até 61,2kg. O confronto representa também sua primeira luta fora do Brasil desde estreou na organização. No UFC Canadá, que acontece em Saskatoon, o paulista admite que deve sentir falta do famoso "Uh, vai morrer" tupiniquim, mas garante que a oportunidade de se apresentar fora do país é uma chance de mostrar seu trabalho ao mundo.

Em entrevista ao LANCE!, Sertanejo avaliou a experiência de fazer a primeira luta pelo evento longe da torcida tupiniquim e o que significa poder lutar fora do país, para novos torcedores. 

- É super legal, já lutei cinco vezes nos USA, gosto pelo fato da viagem, conhecer novos lugares... Mas para lutar mesmo prefiro lutar no Brasil, com o calor da nossa nação. Vou sentir mais falta da torcida e dos meus companheiros de treino. Sempre que viajamos no Brasil uma boa parte do time vêm junto, quando é fora fica um pouco mais difícil. Isso na verdade é o que mais faz falta mesmo. O Diego Lima, Thominhas (Almeida), (Jorge) Macaco e o Charles (Do bronx) estão aqui comigo, dessa vez o Allan Puro Osso não pode vir, ele sempre ajuda muito nos meus treinos juntamente com o (Lucas) Mineiro, Flavio (Álvaro) e toda galera. Mas ainda assim além de eu poder me apresentar para outro público é certamente uma oportunidade deles também verem o meu trabalho, estou muito focado e quero dar o meu melhor - explicou Felipe, em conversa por telefone com o LANCE!, antes de completar dizendo se acha que vai sentir falta do "canto de guerra" dos fãs brasileiros.

- Com certeza (risos). O "Uh, vai morrer" vai fazer falta sim, não existe melhor torcida no mundo que a nossa. O Brasil é o Brasil - disse.

O lutador ainda avaliou a oportunidade de encarar um rival que foi vencido recentemente pelo companheiro de treinos Thomas Almeida. Segundo ele, isso ajudou nos treinamentos.

Em sete lutas, Sertanejo soma três vitórias, três derrotas e um empate (FOTO: UFC)

- Ajudou, sim, mas o Yves é muito completo, não podemos pensar só na luta entre eles, até porque o Thominhas é fora de série. Eu assisti todas as lutas dele e trabalhamos bem em cima do seu jogo. Acredito que vai ser trocação o tempo todo, às vezes ele gosta de levar para o chão para amarrar por cima. Acredito que se sentir algum golpe na trocação será essa a tática que ele vai usar, então treinei muito para inverter as quedas e buscar a finalização caso aconteça de ir para o solo - concluiu.

Confira as lutas do UFC Canadá
Max Holloway x Charles do Bronx
Neil Magny x Erick Silva
Patrick Coté x Josh Burkman
Chad Laprise x Francisco Massaranduba
Olivier Aubin-Mercier x Tony Sims
Maryna Moroz x Valerie Letorneau
Card preliminar
Sam Stout x Frankie Perez
Yves Jabouin x Felipe Sertanejo
Marcos Pezão x Nikita Krylov
Chris Kelades x Chris Beal
Shane Campbell x Elias Silvério
Misha Cirkunov x Daniel Jolly

Felipe Sertanejo encara neste domingo o haitiano-canadense Yves Jabouin, em confronto válido pelos galos do Ultimate. Será a estreia dele na divisão até 61,2kg. O confronto representa também sua primeira luta fora do Brasil desde estreou na organização. No UFC Canadá, que acontece em Saskatoon, o paulista admite que deve sentir falta do famoso "Uh, vai morrer" tupiniquim, mas garante que a oportunidade de se apresentar fora do país é uma chance de mostrar seu trabalho ao mundo.

Em entrevista ao LANCE!, Sertanejo avaliou a experiência de fazer a primeira luta pelo evento longe da torcida tupiniquim e o que significa poder lutar fora do país, para novos torcedores. 

- É super legal, já lutei cinco vezes nos USA, gosto pelo fato da viagem, conhecer novos lugares... Mas para lutar mesmo prefiro lutar no Brasil, com o calor da nossa nação. Vou sentir mais falta da torcida e dos meus companheiros de treino. Sempre que viajamos no Brasil uma boa parte do time vêm junto, quando é fora fica um pouco mais difícil. Isso na verdade é o que mais faz falta mesmo. O Diego Lima, Thominhas (Almeida), (Jorge) Macaco e o Charles (Do bronx) estão aqui comigo, dessa vez o Allan Puro Osso não pode vir, ele sempre ajuda muito nos meus treinos juntamente com o (Lucas) Mineiro, Flavio (Álvaro) e toda galera. Mas ainda assim além de eu poder me apresentar para outro público é certamente uma oportunidade deles também verem o meu trabalho, estou muito focado e quero dar o meu melhor - explicou Felipe, em conversa por telefone com o LANCE!, antes de completar dizendo se acha que vai sentir falta do "canto de guerra" dos fãs brasileiros.

- Com certeza (risos). O "Uh, vai morrer" vai fazer falta sim, não existe melhor torcida no mundo que a nossa. O Brasil é o Brasil - disse.

O lutador ainda avaliou a oportunidade de encarar um rival que foi vencido recentemente pelo companheiro de treinos Thomas Almeida. Segundo ele, isso ajudou nos treinamentos.

Em sete lutas, Sertanejo soma três vitórias, três derrotas e um empate (FOTO: UFC)

- Ajudou, sim, mas o Yves é muito completo, não podemos pensar só na luta entre eles, até porque o Thominhas é fora de série. Eu assisti todas as lutas dele e trabalhamos bem em cima do seu jogo. Acredito que vai ser trocação o tempo todo, às vezes ele gosta de levar para o chão para amarrar por cima. Acredito que se sentir algum golpe na trocação será essa a tática que ele vai usar, então treinei muito para inverter as quedas e buscar a finalização caso aconteça de ir para o solo - concluiu.

Confira as lutas do UFC Canadá
Max Holloway x Charles do Bronx
Neil Magny x Erick Silva
Patrick Coté x Josh Burkman
Chad Laprise x Francisco Massaranduba
Olivier Aubin-Mercier x Tony Sims
Maryna Moroz x Valerie Letorneau
Card preliminar
Sam Stout x Frankie Perez
Yves Jabouin x Felipe Sertanejo
Marcos Pezão x Nikita Krylov
Chris Kelades x Chris Beal
Shane Campbell x Elias Silvério
Misha Cirkunov x Daniel Jolly