icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
01/11/2013
10:10

A semana seguinte à derrota para a Ponte Preta, que afundou o Vasco na zona de rebaixamento do Brasileirão, fez com que o clube realizasse um verdadeiro aparato de segurança para os treinos que aconteceram em São Januário. No entanto, para a viagem a Macaé (RJ) que ocorrerá hoje, nenhum esquema especial será feito, apesar do alerta estar ligado.

O Gigante da Colina treinará logo mais, às 17h, no Estádio Moacyrzão e, no sábado, enfrenta o Coritiba, às 19h30, no mesmo local.

– Não terá segurança especial. Será a mesma logística que foi feita nas outras viagens à Macaé. Contaremos com os seguranças do clube – informou o vice de patrimônio do Vasco Manoel Barbosa.

Embora não fortaleça sua segurança, o clube, segundo apuração do LANCE!, terá uma atenção redobrada no período em que estiver na cidade. Em caso de derrota para o Coxa, a tendência é a de que haja uma escolta da polícia militar.

Desde a última terça-feira, toda a rotina do Vasco foi alterada. Neste dia mesmo, por exemplo, o treinamento passou do CFZ para São Januário pois o clube achava que teria mais segurança na Colina.

A partir desta data, somente funcionários e a imprensa tiveram o acesso liberado. Ao todo, além da polícia militar, 23 seguranças particulares foram contratados e realizavam uma patrulha minuciosa na entrada do clube.

A pressão da torcida aumentou no último domingo, quando membros de organizadas foram até o desembarque da delegação protestar. O zagueiro Renato Silva, por exemplo, acabou cercado e levou uma ovada de um dos torcedores.