icons.title signature.placeholder Vinícius Faustini
icons.title signature.placeholder Vinícius Faustini
22/07/2013
12:44

Acúmulo de dívidas, sucessivos desmandos e tropeços. Mas, 12 anos depois, o Leão do Parque driblou a precariedade financeira e colocou novamente o extremo sul no mapa gaúcho. O São Paulo-RS, de Rio Grande, retorna à elite do Gauchão no ano de 2014.


A perda do título da Divisão de Acesso, no sábado, não causou problemas para a equipe do Aldo Dalpuzzo. A vaga já estava garantida desde maio, com a vitória por 1 a 0 no tempo normal, e o 3 a 2 nos pênaltis contra o próprio Brasil de Pelotas, na final do primeiro turno – no qual brilhou o veterano goleiro Luciano, ao defender três cobranças.

Aylon, autor do gol que levou a decisão para os pênaltis, afirma ter se emocionado ainda mais pelo contexto da equipe nos seus anos de Divisão de Acesso.


– Sou daqui de Rio Grande, sei de todo o sofrimento pelo qual o São Paulo-RS passa, e sei o quanto uma vinda de um Internacional ou um Grêmio para fazerem jogos aqui vão ajudar a encher ainda mais o estádio. Em especial, porque a cidade está crescendo – disse o atacante, que divide o mérito com os demais jogadores do elenco, ao L!Net.

Um elenco que, por sinal, começou a ser formado com muito sacrifício, segundo o presidente Paulo Roberto Costa:


– Antes de tudo, buscamos jogadores com muito comprometimento, e contamos com a credibilidade do (treinador) Rudi e do (gerente de futebol) Aládio – revelou, ao L!Net. E é em busca de uma equipe com muito empenho em seu trabalho que o São Paulo-RS promete justificar a honra de ser o único representante do extremo sul gaúcho na elite do Estadual. Porque o orgulho de representar a cidade de Rio Grande permanece no pensamento de todos.

– A cidade do clube mais antigo do Brasil em atividade (o Rio Grande) precisava ter representante na elite – afirmou Paulo Roberto Costa.

*****

Conquistas do São Paulo

1933 – Maior do RS


Com gols de Darci Encarnação e Cardeal, e Nenê descontando, os sampaulinos bate o Grêmio por 2 a 1 nos Eucaliptos e conquista seu (até o momento) único título gaúcho.

1970 - Segundona

Ao superar o Ypiranga de Erechim (cidade à época escrita com “x”), o São Paulo sobe campeão pela primeira e única vez até o momento.

Brasileirão


O clube participou entre 1979 e 1982 (nas Taças de Ouro e Prata). E, em 1980, um empate histórico: 0 a 0 com o poderoso Flamengo de Júnior, Andrade, Adílio e Zico, no Aldo Dalpuzzo.

*****

Com a palavra

Paulo Roberto Costa

PRESIDENTE DO SÃO PAULO DE RIO GRANDE-RS

Foi preciso ter muita convicção no trabalho para fazer o São Paulo voltar à elite do futebol gaúcho. Acreditamos nos atletas que vieram, no comprometimento com o Rudi e a credibilidade dele para contratar jogadores no Rio Grande do Sul, e agora vivo uma emoção única.

Fui criado no São Paulo-RS, de chegar às oito da manhã e sair só no fim da noite, e doía ver o clube em uma situação tão difícil. O São Paulo estava praticamente fechando suas portas quando assumi a presidência do clube, há cerca de cinco meses.

Hoje, a situação está menos difícil, mas continua complicada. Temos muitas dívidas e estamos fazendo acordo com os credores para que sejam sanadas.

Acredito que um clube centenário de Rio Grande, cidade do clube mais antigo em atividade do Brasil, precisava ter um representante na elite.

*****

As mãos da experiência

O São Paulo encontrou sua fortaleza para voltar à elite na sabedoria de um veterano. Goleiro com passagens por Internacional-SM, Novo Hamburgo, Brasil, XV de Campo Bom e outros times de menor investimento do interior gaúcho, Luciano ganhou os holofotes na Divisão de Acesso ao pegar cobranças de Éder Machado, Cirilo e Fernando Cardozo na decisão do primeiro turno.

E o fato de ter 43 anos não contribuiu apenas para a fama de pegador de pênaltis. Sua chegada ao São Paulo aconteceu graças à ajuda de dois ex-companheiros:

– Eu já tinha jogado com o Rudi, que é nosso técnico, e o Aládio, gerente daqui, e graças a ele estou trabalhando num elenco vencedor – revelou.

*****

Bate-Bola

Luciano


GOLEIRO DO SÃO PAULO-RS

 

Como é, aos 43 anos, fazer parte da campanha que levou o São Paulo de volta à elite?

É gostoso, porque, de alguma forma, eu pude ajudar o São Paulo a voltar a subir depois de 12 anos. Ainda mais da forma como o acesso aconteceu, com todas as dificuldades, tudo se encaminhando.

E ainda mais sendo herói, ao defender três pênaltis na disputa do primeiro turno...

Tive esta felicidade, foi muito bom. Mas, na verdade, eu destaco o grupo, porque a gente não chegaria à Primeira Divisão sem um bom elenco. É bom fazer parte de um grupo vencedor, eu não conseguiria nada se não fosse com a ajuda deles.

O São Paulo vai disputar a elite do Gauchão no ano que vem. Já faz planos para, mesmo com a idade um pouco avançada, seguir por mais uma temporada no clube?


Na verdade, eu não tenho problemas com relação a avanço de idade. O meu biotipo ajuda muito nisto. Mas em relação a pensar no Gauchão, acho que a situação ainda está muito distante para eu dizer. Meu contrato, a princípio, era até o final da Segunda Divisão. Vou sentar e conversar com a diretoria, para conversarmos sobre renovação.

Acúmulo de dívidas, sucessivos desmandos e tropeços. Mas, 12 anos depois, o Leão do Parque driblou a precariedade financeira e colocou novamente o extremo sul no mapa gaúcho. O São Paulo-RS, de Rio Grande, retorna à elite do Gauchão no ano de 2014.


A perda do título da Divisão de Acesso, no sábado, não causou problemas para a equipe do Aldo Dalpuzzo. A vaga já estava garantida desde maio, com a vitória por 1 a 0 no tempo normal, e o 3 a 2 nos pênaltis contra o próprio Brasil de Pelotas, na final do primeiro turno – no qual brilhou o veterano goleiro Luciano, ao defender três cobranças.

Aylon, autor do gol que levou a decisão para os pênaltis, afirma ter se emocionado ainda mais pelo contexto da equipe nos seus anos de Divisão de Acesso.


– Sou daqui de Rio Grande, sei de todo o sofrimento pelo qual o São Paulo-RS passa, e sei o quanto uma vinda de um Internacional ou um Grêmio para fazerem jogos aqui vão ajudar a encher ainda mais o estádio. Em especial, porque a cidade está crescendo – disse o atacante, que divide o mérito com os demais jogadores do elenco, ao L!Net.

Um elenco que, por sinal, começou a ser formado com muito sacrifício, segundo o presidente Paulo Roberto Costa:


– Antes de tudo, buscamos jogadores com muito comprometimento, e contamos com a credibilidade do (treinador) Rudi e do (gerente de futebol) Aládio – revelou, ao L!Net. E é em busca de uma equipe com muito empenho em seu trabalho que o São Paulo-RS promete justificar a honra de ser o único representante do extremo sul gaúcho na elite do Estadual. Porque o orgulho de representar a cidade de Rio Grande permanece no pensamento de todos.

– A cidade do clube mais antigo do Brasil em atividade (o Rio Grande) precisava ter representante na elite – afirmou Paulo Roberto Costa.

*****

Conquistas do São Paulo

1933 – Maior do RS


Com gols de Darci Encarnação e Cardeal, e Nenê descontando, os sampaulinos bate o Grêmio por 2 a 1 nos Eucaliptos e conquista seu (até o momento) único título gaúcho.

1970 - Segundona

Ao superar o Ypiranga de Erechim (cidade à época escrita com “x”), o São Paulo sobe campeão pela primeira e única vez até o momento.

Brasileirão


O clube participou entre 1979 e 1982 (nas Taças de Ouro e Prata). E, em 1980, um empate histórico: 0 a 0 com o poderoso Flamengo de Júnior, Andrade, Adílio e Zico, no Aldo Dalpuzzo.

*****

Com a palavra

Paulo Roberto Costa

PRESIDENTE DO SÃO PAULO DE RIO GRANDE-RS

Foi preciso ter muita convicção no trabalho para fazer o São Paulo voltar à elite do futebol gaúcho. Acreditamos nos atletas que vieram, no comprometimento com o Rudi e a credibilidade dele para contratar jogadores no Rio Grande do Sul, e agora vivo uma emoção única.

Fui criado no São Paulo-RS, de chegar às oito da manhã e sair só no fim da noite, e doía ver o clube em uma situação tão difícil. O São Paulo estava praticamente fechando suas portas quando assumi a presidência do clube, há cerca de cinco meses.

Hoje, a situação está menos difícil, mas continua complicada. Temos muitas dívidas e estamos fazendo acordo com os credores para que sejam sanadas.

Acredito que um clube centenário de Rio Grande, cidade do clube mais antigo em atividade do Brasil, precisava ter um representante na elite.

*****

As mãos da experiência

O São Paulo encontrou sua fortaleza para voltar à elite na sabedoria de um veterano. Goleiro com passagens por Internacional-SM, Novo Hamburgo, Brasil, XV de Campo Bom e outros times de menor investimento do interior gaúcho, Luciano ganhou os holofotes na Divisão de Acesso ao pegar cobranças de Éder Machado, Cirilo e Fernando Cardozo na decisão do primeiro turno.

E o fato de ter 43 anos não contribuiu apenas para a fama de pegador de pênaltis. Sua chegada ao São Paulo aconteceu graças à ajuda de dois ex-companheiros:

– Eu já tinha jogado com o Rudi, que é nosso técnico, e o Aládio, gerente daqui, e graças a ele estou trabalhando num elenco vencedor – revelou.

*****

Bate-Bola

Luciano


GOLEIRO DO SÃO PAULO-RS

 

Como é, aos 43 anos, fazer parte da campanha que levou o São Paulo de volta à elite?

É gostoso, porque, de alguma forma, eu pude ajudar o São Paulo a voltar a subir depois de 12 anos. Ainda mais da forma como o acesso aconteceu, com todas as dificuldades, tudo se encaminhando.

E ainda mais sendo herói, ao defender três pênaltis na disputa do primeiro turno...

Tive esta felicidade, foi muito bom. Mas, na verdade, eu destaco o grupo, porque a gente não chegaria à Primeira Divisão sem um bom elenco. É bom fazer parte de um grupo vencedor, eu não conseguiria nada se não fosse com a ajuda deles.

O São Paulo vai disputar a elite do Gauchão no ano que vem. Já faz planos para, mesmo com a idade um pouco avançada, seguir por mais uma temporada no clube?


Na verdade, eu não tenho problemas com relação a avanço de idade. O meu biotipo ajuda muito nisto. Mas em relação a pensar no Gauchão, acho que a situação ainda está muito distante para eu dizer. Meu contrato, a princípio, era até o final da Segunda Divisão. Vou sentar e conversar com a diretoria, para conversarmos sobre renovação.