icons.title signature.placeholder Bruno Quaresma, Guilherme Palenzuela e Renato Rodrigues
icons.title signature.placeholder Bruno Quaresma, Guilherme Palenzuela e Renato Rodrigues
03/07/2013
21:02

A chegada do ônibus do Corinthians no Morumbi, para o jogo de ida da Recopa Sul-Americana, contra o São Paulo, que acontece nesta quarta-feira, foi bem tumultuada. A torcida do time da casa parece ter dado uma resposta para o atacante Guerrero e fez uma chuva de latas ainda maior para cima do veículo alvinegro, que tomou um banho de cerveja.

O jogador do Timão havia falado, na última terça-feira, que isso motiva seus companheiros a vencer o Tricolor no estádio, e que todos entram com "raiva". Além de latas e garrafas, os tricolores também atiraram pedras, que deixaram marcas na lataria do ônibus. Mesmo com a hostilidade, os jogadores desembarcaram nos vestiários com tranquilidade e sem ninguém ferido.

O único que parou para dar entrevista foi o presidente alvinegro Mário Gobbi Filho. O mandatário criticou a atitude dos rivas e pediu mais paz nos estádios de futebol no Brasil.

- É triste vir a um estádio de futebol e ter seu ônibus apedrejado, mas isso já é hábito. O que há de se fazer? Somos cidadãos. Não precisa disso, não se ganha jogo ou se perde jogo fazendo isso - reclamou Gobbi.

A chegada do ônibus do Corinthians no Morumbi, para o jogo de ida da Recopa Sul-Americana, contra o São Paulo, que acontece nesta quarta-feira, foi bem tumultuada. A torcida do time da casa parece ter dado uma resposta para o atacante Guerrero e fez uma chuva de latas ainda maior para cima do veículo alvinegro, que tomou um banho de cerveja.

O jogador do Timão havia falado, na última terça-feira, que isso motiva seus companheiros a vencer o Tricolor no estádio, e que todos entram com "raiva". Além de latas e garrafas, os tricolores também atiraram pedras, que deixaram marcas na lataria do ônibus. Mesmo com a hostilidade, os jogadores desembarcaram nos vestiários com tranquilidade e sem ninguém ferido.

O único que parou para dar entrevista foi o presidente alvinegro Mário Gobbi Filho. O mandatário criticou a atitude dos rivas e pediu mais paz nos estádios de futebol no Brasil.

- É triste vir a um estádio de futebol e ter seu ônibus apedrejado, mas isso já é hábito. O que há de se fazer? Somos cidadãos. Não precisa disso, não se ganha jogo ou se perde jogo fazendo isso - reclamou Gobbi.