icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
19/07/2013
14:37

Não é a primeira vez que Tito Vilanova é obrigado a deixar o comando do Barcelona. Mas se desta vez será de forma definitiva, no fim do ano passado, ele saiu apenas por alguns meses. O que, aliás, não caiu bem para o time. Foi exatamente no momento de sua licença que a temporada desandou.

Apesar do título do Campeonato Espanhol, alguns jogadores assumiram que a saída repentina balançou com o grupo. A fase culminou com as derrotas humilhantes contra o Bayern de Munique na semifinal da Liga dos Campeões.

Cria do Barcelona tanto como jogador quanto como treinador, Tito Vilanova foi escolhido para substituir Pep Guardiola exatamente por estar totalmente por dentro do modelo de jogo estabelecido. Ele chegou ao time catalão pela primeira vez ainda em 1984.

Não chegou a fazer jogos pelo time profissional, apenas pelo Barcelona B. Como jogador, andou por clubes menores da Espanha. Os de mais destaque foram o Mallorca e o Celta.

Tito durante sua recuperação em Nova York (Foto: Divulgação)

Aposentou-se em 2001, e em 2003 começou a aventura como técnico no modesto Palafrugell. Logo em sua estreia, conseguiu o acesso para a Quarta Divisão. Depois trabalhou como diretor no Terrassas, da Catalunha, e em 2007 foi chamado para ser o auxiliar de Guardiola no Barcelona B. Quando Pep assumiu o time principal, Tito foi junto.

O momento que mais apareceu foi graças a José Mourinho. Em uma confusão em um clássico contra o Real Madrid, o português colocou seu dedo no olho de Tito.

Querido pelos jogadores, Tito era, além de tudo, um dos responsáveis em manter o bom clima no vestiário. Quando Guardiola saiu, Sandro Rosell e Andoni Zubizarreta, presidente e diretor, respectivamente, anunciaram logo o então auxiliar como técnico efetivo.

Logo em suas primeiras partidas, perdeu a Supercopa da Espanha, mas logo na sequência, fez o melhor início de Campeonato Espanhol de todos os tempos. Aliás, esse foi o seu único título pelo Barcelona.

Não é a primeira vez que Tito Vilanova é obrigado a deixar o comando do Barcelona. Mas se desta vez será de forma definitiva, no fim do ano passado, ele saiu apenas por alguns meses. O que, aliás, não caiu bem para o time. Foi exatamente no momento de sua licença que a temporada desandou.

Apesar do título do Campeonato Espanhol, alguns jogadores assumiram que a saída repentina balançou com o grupo. A fase culminou com as derrotas humilhantes contra o Bayern de Munique na semifinal da Liga dos Campeões.

Cria do Barcelona tanto como jogador quanto como treinador, Tito Vilanova foi escolhido para substituir Pep Guardiola exatamente por estar totalmente por dentro do modelo de jogo estabelecido. Ele chegou ao time catalão pela primeira vez ainda em 1984.

Não chegou a fazer jogos pelo time profissional, apenas pelo Barcelona B. Como jogador, andou por clubes menores da Espanha. Os de mais destaque foram o Mallorca e o Celta.

Tito durante sua recuperação em Nova York (Foto: Divulgação)

Aposentou-se em 2001, e em 2003 começou a aventura como técnico no modesto Palafrugell. Logo em sua estreia, conseguiu o acesso para a Quarta Divisão. Depois trabalhou como diretor no Terrassas, da Catalunha, e em 2007 foi chamado para ser o auxiliar de Guardiola no Barcelona B. Quando Pep assumiu o time principal, Tito foi junto.

O momento que mais apareceu foi graças a José Mourinho. Em uma confusão em um clássico contra o Real Madrid, o português colocou seu dedo no olho de Tito.

Querido pelos jogadores, Tito era, além de tudo, um dos responsáveis em manter o bom clima no vestiário. Quando Guardiola saiu, Sandro Rosell e Andoni Zubizarreta, presidente e diretor, respectivamente, anunciaram logo o então auxiliar como técnico efetivo.

Logo em suas primeiras partidas, perdeu a Supercopa da Espanha, mas logo na sequência, fez o melhor início de Campeonato Espanhol de todos os tempos. Aliás, esse foi o seu único título pelo Barcelona.