icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci e Russel Dias
19/02/2015
08:02

Robinho completa hoje três meses sem marcar pelo Santos. Desde que anotou no empate em 1 a 1 com o Atlético-PR, no Brasileirão do ano passado, ele entrou em campo seis vezes e não conseguiu balançar as redes. Não se pode apontar uma única explicação para o mau rendimento, mas há um fato incontestável: a pontaria do camisa 7 não está boa.

Nas quatro partidas que fez neste ano, Robinho deu só oito chutes. Destes, só dois foram no gol. A média de duas finalizações por jogo é exatamente a mesma que teve pelo Peixe em 2014, porém a qualidade caiu bastante. Ano passado, ele concluiu 20 vezes no alvo, e 22 para fora. Ou seja: na última temporada, para cada arremate errado, o atacante praticamente acertou um na meta. O resultado foi positivo: nove tentos em 21 confrontos. Já agora, de cada quatro batidas, só uma sai certa. As estatísticas são da parceria LANCE!/Footstats.

Mas não foi só a precisão nos chutes de Robinho que mudou em 2015. O posicionamento do ídolo alvinegro também está diferente. Prova disso é que em quatro partidas no ano ele fez três funções diferentes. Nas duas primeiras rodadas do Paulistão, antes de Ricardo Oliveira ser titular, o camisa 7 atuou mais centralizado. Depois, foi deslocado para a esquerda do ataque, sua posição de origem. Já no último jogo, ele inverteu de lado com Geuvânio e ficou mais tempo na direita.

A versatilidade do jogador agrada o técnico Enderson Moreira, que prefere falar sobre a importância tática do Rei do Drible do que sobre o jejum de gols que ele vem enfrentando.

– O gol é questão de oportunidade. O Robinho não faz, mas cria espaço e também é mais visado que os demais atacantes e enfrenta dificuldades maiores. Mas ele tem tido um comportamento tático perfeito. Daqui a pouco, volta a acontecer (o gol). Não tem que ficar preocupado com isso. Ele é uma peça importante para o Santos, que vai desequilibrar, fazer gols, dar assistências. E tem jogado em altíssimo nível! – disse o técnico, em entrevista coletiva na última semana.

Já Robinho não demonstra abatimento com a falta de bolas nas redes, mas por outro lado é consciente em suas entrevistas. O jogador tem insistido que é preciso finalizar melhor e com mais capricho. Domingo, contra a Portuguesa, no Pacaembu, ele terá a oportunidade novamente de tentar fazer isso. Finalmente acaba o jejum?