icons.title signature.placeholder Marcello Vieira e Rodrigo Lois
icons.title signature.placeholder Marcello Vieira e Rodrigo Lois
15/07/2013
09:02

A derrota para o Internacional por 3 a 2 no sábado à noite confirmou um início de Campeonato Brasileiro negativo para o atual campeão. Quase imbatível em 2012, o Fluminense já perdeu quatro jogos em sete disputados e enxerga os líderes cada vez mais distantes. Para piorar, o Tricolor vivencia uma asfixia financeira em decorrência das constantes penhoras e não tem dinheiro em caixa para se reforçar. Em meio às circunstâncias que compõem um desolador cenário, o torcedor tem uma grande motivação para se animar e acreditar na virada: o time voltará ao Maracanã.

Longe de casa há praticamente três anos, o Flu acostumou–se a não ter o seu lugar. Antes de ser fechado, o Engenhão foi rejeitado pela torcida, que não chegou a comparecer em massa, exceção feita à mínimas oportunidades. Recentemente, os próprios jogadores reclamaram das constantes viagens para atuar no Moacyrzão, em Macaé. Não à toa, o Maracanã pode ser o grande reforço. Razões para acreditar nisso não faltam.

Desde 2008, o retrospecto do Fluminense no estádio em jogos para mais de 30 mil pessoas é bastante favorável. O Flu venceu 18 partidas e empatou apenas duas nessas circunstâncias. As médias de público também figuraram entre as melhores do país. Ciente da realidade, o técnico Abel Braga mostrou empolgação com o Maraca.

– Voltaremos a uma casa antiga, que foi remodelada e claro, contaremos com o apoio do nosso torcedor, que é essencial – disse.

Desde que o Maracanã foi fechado, o Flu se adaptou e cresceu em meio às dificuldades. Tornou-se forte fora do Rio de Janeiro como quase nunca. Aprendeu a não sentir a pressão de arquibancadas lotadas em ambientes hostis, fossem eles brasileiros ou sul-americanos, e venceu dois campeonatos nacionais em três anos. Contudo, a rotina era pesada e agora o time deu indícios de que faltava algo.

O aguardado reencontro com o Maracanã pode ser impactante. A história mostra que basta a torcida abraçar o time como se acostumou a fazer na real casa do Flu.

Flu e Vasco deverá ter torcida dividida

Como manda a tradição, o clássico entre Fluminense e Vasco, no próximo domingo, às 18h30, deverá dividir o Maracanã. Apesar de ser o mandante da partida, o Tricolor não planeja utilizar a prerrogativa de destinar apenas uma pequena parte das arquibancadas ao adversário.

A tendência é que ocorra um acordo de cavalheiros e o jogo do returno, válido pela 27a rodada, também ocorra no Estádio Mário Filho sob as mesmas circunstâncias já acordadas.

A data do início da comercialização dos ingressos ainda será definida entre a diretoria do Flu e o consórcio, mesmo dia em que os torcedores deverão saber os preços das arquibancadas localizadas atrás do gols, lugares de responsabilidade do Fluminense.

Os assentos laterais custarão R$ 100 e a área VIP R$ 220, valores definidos e que serão arrecadados pelo consórcio Maracanã S.A.

A derrota para o Internacional por 3 a 2 no sábado à noite confirmou um início de Campeonato Brasileiro negativo para o atual campeão. Quase imbatível em 2012, o Fluminense já perdeu quatro jogos em sete disputados e enxerga os líderes cada vez mais distantes. Para piorar, o Tricolor vivencia uma asfixia financeira em decorrência das constantes penhoras e não tem dinheiro em caixa para se reforçar. Em meio às circunstâncias que compõem um desolador cenário, o torcedor tem uma grande motivação para se animar e acreditar na virada: o time voltará ao Maracanã.

Longe de casa há praticamente três anos, o Flu acostumou–se a não ter o seu lugar. Antes de ser fechado, o Engenhão foi rejeitado pela torcida, que não chegou a comparecer em massa, exceção feita à mínimas oportunidades. Recentemente, os próprios jogadores reclamaram das constantes viagens para atuar no Moacyrzão, em Macaé. Não à toa, o Maracanã pode ser o grande reforço. Razões para acreditar nisso não faltam.

Desde 2008, o retrospecto do Fluminense no estádio em jogos para mais de 30 mil pessoas é bastante favorável. O Flu venceu 18 partidas e empatou apenas duas nessas circunstâncias. As médias de público também figuraram entre as melhores do país. Ciente da realidade, o técnico Abel Braga mostrou empolgação com o Maraca.

– Voltaremos a uma casa antiga, que foi remodelada e claro, contaremos com o apoio do nosso torcedor, que é essencial – disse.

Desde que o Maracanã foi fechado, o Flu se adaptou e cresceu em meio às dificuldades. Tornou-se forte fora do Rio de Janeiro como quase nunca. Aprendeu a não sentir a pressão de arquibancadas lotadas em ambientes hostis, fossem eles brasileiros ou sul-americanos, e venceu dois campeonatos nacionais em três anos. Contudo, a rotina era pesada e agora o time deu indícios de que faltava algo.

O aguardado reencontro com o Maracanã pode ser impactante. A história mostra que basta a torcida abraçar o time como se acostumou a fazer na real casa do Flu.

Flu e Vasco deverá ter torcida dividida

Como manda a tradição, o clássico entre Fluminense e Vasco, no próximo domingo, às 18h30, deverá dividir o Maracanã. Apesar de ser o mandante da partida, o Tricolor não planeja utilizar a prerrogativa de destinar apenas uma pequena parte das arquibancadas ao adversário.

A tendência é que ocorra um acordo de cavalheiros e o jogo do returno, válido pela 27a rodada, também ocorra no Estádio Mário Filho sob as mesmas circunstâncias já acordadas.

A data do início da comercialização dos ingressos ainda será definida entre a diretoria do Flu e o consórcio, mesmo dia em que os torcedores deverão saber os preços das arquibancadas localizadas atrás do gols, lugares de responsabilidade do Fluminense.

Os assentos laterais custarão R$ 100 e a área VIP R$ 220, valores definidos e que serão arrecadados pelo consórcio Maracanã S.A.