icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
12/11/2013
09:10

Um dos motivos apresentado por torcedores botafoguenses para o protesto da última segunda-feira, no desembarque do elenco do Botafogo no Rio, após a derrota para o Internacional, no domingo, é o histórico recente sem títulos de expressão. Com 53 pontos, o time permanece no G4, grupo dos quatro primeiros colocados, e que garantem vaga automática para a Copa Libertadores. No entanto, agora os alvinegros têm a mesma pontuação do Goiás, que pressiona os cariocas na luta pela classificação. 

O ato da segunda-feira não foi o primeiro protesto dos alvinegros. Relembre outras manifestações da exigente torcida alvinegra.

Deu até demissão - Após a eliminação na Sul-Americana para o River Plate (ARG), em 2007, torcedores foram ao aeroporto protestar contra os jogadores. Na ocasião, pipocas e calcinhas foram atiradas em direção aos atletas. Treinador à época, Cuca foi muito ofendido e pediu demissão.

Saída da Copa do Brasil - Já eliminado do Carioca, pouco depois o time foi superado pelo Avaí na Copa do Brasil de 2011. Ao chegarem de Florianópolis, jogadores como Fahel, Somália e Alessandro foram muito ofendidos. Os únicos poupados foram o goleiro Jefferson e o atacante Loco Abreu.

Sequência ruim irritou - Depois da quinta derrota seguida no Brasileiro de 2011 (4 a 0 para o Atlético-MG), os torcedores perderam a paciência e foram ao Engenhão reclamar da queda da equipe na reta final. Jefferson, Herrera, Maicosuel e Lucas tiveram uma conversa com o grupo, acalmando os ânimos.

Zagueiro e meia na mira - Ano passado, quando ocupava a sexta colocação no Brasileiro, a torcida do Botafogo realizou um protesto no Engenhão, em que pedia a saída do zagueiro Fábio Ferreira e do meia Vitor Junior, acusados de estarem exagerando na vida noturna.

Venda de Vitinho - Em agosto de 2013, a venda de Vitinho, maior revelação do clube nos últimos anos - para o CSKA Moscou irritou os torcedores. Eles foram para a frente da sede de general Severiano, picharam o muro e fizeram uma vigília contra a ida do atacante para a Rússia.