icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
30/11/2013
09:03

A relação entre Oswaldo de Oliveira, técnico do Botafogo, e Jorginho, que comanda a Ponte Preta, é tão forte que levou, indiretamente, à aposentadoria do lateral-direito tetracampeão pela Seleção Brasileira em 1994. Isso porque, em 2002, Oswaldo treinava o Fluminense e pediu a contratação de Jorginho, que estava no Vasco. Pouco mais de dois meses após a chegada do lateral, o técnico foi demitido. Instantaneamente, Jorginho pediu para deixar o Flu em solidariedade e também por estar no banco de reservas. Algum tempo depois, ele acabaria anunciando a sua aposentadoria dos gramados.

Esses laços foram parar até no Japão. Após assinar com o Botafogo, Oswaldo elogiou Jorginho para os dirigentes do Kashima Antlers, seu clube anterior, e o técnico da Ponte Preta foi escolhido para substituí-lo na equipe nipônica. Oswaldo, inclusive, cedeu para Jorginho a casa na qual vivia.

Antes da passagem pelas Laranjeiras, a dupla trabalhou no Vasco. Lá, os dois ajudaram o clube a conquistar o Brasileiro e a Mercosul de 2000 (Oswaldo saiu antes do fim do ano após brigar com Eurico Miranda, então presidente vascaíno).

Essa relação explica o porquê de Oswaldo torcer para a Ponte Preta na final da Copa Sul-Americana, mesmo isso tirando uma vaga para a Copa Libertadores via Campeonato Brasileiro (passando de G4 para G3). O técnico afirmou que o Botafogo tem condições de terminar o Brasileirão em terceiro lugar e não precisar secar o amigo.