icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
24/02/2015
13:10

Em preparação para o início da temporada 2015 da World Surfing League (WSL), em Gold Coast, na Austrália, o surfista brasileiro Adriano de Souza está otimista quanto à suas possibilidades no circuito. Recuperado de algumas lesões sofridas no ano passado, o surfista acredita que daqui por diante poderá competir em igualdade contra adversários como Gabriel Medina, atual campeão mundial, e o norte-americano Kelly Slater.

- Finalmente estou recuperado de todas as lesões. Tive um 2014 muito complicado com uma contusão na etapa do Rio, um acidente na Indonésia - onde tomei uma pranchada no nariz - e depois uma outra em Portugal, quando fiquei um bom tempo no "estaleiro". Tive que passar muito tempo de molho, realizando cirurgias, sem pegar ondas e passando por momentos difíceis, mas agora está tudo bem. Estou em meu melhor condicionamento há muito tempo e pronto para encarar a temporada - disse Adriano, destacando suas metas para a temporada:

- Minha expectativa segue a mesma do ano passado. Tive um início de 2014 muito bom com o título do Australian Open de Surf, semifinais na primeira etapa do ano e mais ótimos desempenhos até as lesões começarem a aparecer. Era para ter sido meu ano, mas pelo menos acabou nas mãos de outro brasileiro, que também nos representou muito bem. Neste ano, completamente recuperado e sem pressão alguma, parto com o mesmo pensamento: o de que 2015 será o meu ano.

Em dezembro de 2014, o Brasil viveu o seu auge no surfe mundial com a conquista do título mundial por Gabriel Medina. Para Adriano, o feito de Gabriel trará uma visibilidade e uma cobrança maior para o surfe do país.

- Estaremos em evidência neste ano por conta do título do Medina, mas há uns três anos que estamos com essa equipe forte com mais de seis brasileiros na elite. Por termos tanta gente, posso até garantir que teremos umas duas gerações garantidas na água no futuro. Poderia até ser melhor se não tivéssemos perdido o Ricardinho dos Santos, pois ele era peça essencial da turma dos big riders, que tem o Carlos Burle, Danilo Couto e Maya Gabeira, dentre outros - disse Adriano, elogiando o atual campeão mundial:

- O Gabriel continua a mesma pessoa dentro e fora da água. Claro, como campeão, passará a ser mais visado por público e mídia, mas ele tem um jeito bem reservado e acho que vai lidar bem com a fama. Já o fato de defender o título acho que não vai abalá-lo, pois todos nós, inclusive ele, estamos aqui lutando para estar na posição que ele ocupa atualmente. O pior da pressão profissional já passou, pois ele chegou no topo máximo, basta só conter o ímpeto da torcida, que geralmente pressiona muito o atleta por mais títulos.