icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
13/04/2014
09:30

Um está acostumado a conquistar títulos pelo clube que defende há dez anos. O outro, apesar de ainda não ter erguido uma taça na atual casa, não fica atrás justamente por ter uma carreira também pautada por conquistas. O duelo de hoje colocará frente a frente dois capitães de respeito: Léo Moura, envergando o manto rubro-negro novamente em uma decisão, e Guiñazú, que tenta fazer com que o Cruz-Maltino se habitue novamente a ser campeão.

Ambos com 35 anos de idade, o camisa 2 do Flamengo e o volante do Vasco são exemplos para os seus respectivos companheiros. No lado da Gávea, Léo Moura serve como espelho para um jogador que até pouco tempo atrás estava em litígio com o clube.

– O Léo (Moura) é a cara do Flamengo. Muitos anos de casa, conhece tudo aqui dentro e é querido por todo mundo. Ninguém fica tanto tempo em um lugar se não for respeitado e admirado. Ele é um exemplo para mim, como para muitos outros jogadores do nosso elenco. É exemplar tanto dentro quanto fora de campo – comentou Luiz Antonio, que será titular logo mais.

Em São Januário há menos de um ano, Guiñazú não deixa a desejar no quesito liderança. O volante argentino, que se firmou com a braçadeira de capitão no início desta temporada, é admirado não só pelos jovens jogadores do elenco vascaíno, como também outros tão experientes quanto ele.

– Sou um pouco suspeito para falar do Guiñazú. O conheço desde a época que jogávamos no Internacional. Ele é um líder nato. Todo mundo o respeita em qualquer lugar e aqui no Vasco não é diferente. Ele cobra quando tem de cobrar e incentiva quando é necessário – salientou o zagueiro Rodrigo.

Como capitão do Fla, Léo Moura só levantou a taça da Copa do Brasil, em 2013. Já Guiñazú tem a primeira chance de erguer um título pelo Vasco. Agora, é aguardar e ver qual braçadeira terminará acompanhada do título carioca de 2014.