icons.title signature.placeholder Alexandre Braz e Walace Borges
03/12/2013
07:02

A programação do Botafogo para o jogo contra o Coritiba, no último domingo, gerou insatisfação em alguns membros do elenco e da comissão técnica. Pelo caráter decisivo da partida, o técnico Oswaldo de Oliveira enxergou a necessidade de concentrar-se mais tempo com os jogadores. Desta maneira, pediu que a viagem, programada para sábado, fosse antecipada para sexta-feira, pois o time treinaria na capital paranaense na véspera do confronto.

Entretanto, por questões de logística, o clube não conseguiu voo e hotel para remarcar a viagem. A intenção de seguir um dia antes, pretendida por Oswaldo, foi apoiada por Seedorf, que vinha destacando a necessidade de o time se entregar completamente nestas duas últimas rodadas do Brasileiro.

Segundo o LANCE!Net apurou, Seedorf tentou, com apoio da diretoria, intervir junto aos patrocinadores do clube para que estes custeassem o pagamento de um voo fretado para Curitiba. No entanto, procurado pela reportagem, o Botafogo negou que o holandês tenha exercido este papel.

Com a dificuldade para viajar antecipadamente, foi tentado um acordo com os jogadores para que, pelo menos, se concentrassem em General Severiano na sexta-feira. Também não houve acerto. Os atletas seguiram para a concentração na sede do clube após o treino de sábado, ficando lá até o fim da tarde, quando viajaram para Curitiba.

Após a derrota, houve uma discussão no vestiário e alguns atletas reafirmaram que a preparação para o jogo não foi adequada.

– Nas vitórias ou nas derrotas, temos de ser diretos e procurar resolver as coisas. O vestiário do Botafogo sempre foi blindado para este tipo de situação – garantiu o zagueiro no desembarque do Botafogo, ontem, no Rio de Janeiro.