icons.title signature.placeholder Bruno Braz
07/11/2013
08:02

O meia Pedro Ken completará 50 jogos pelo Vasco no próximo domingo, contra o Santos, no Maracanã. Adaptado ao clube e ao Rio de Janeiro, seu maior desejo é permanecer em São Januário e por fim à vida de “cigano da bola”, que acabou tendo nos últimos anos, quando passou por Cruzeiro e foi emprestado para Avaí e Vitória por um período curto.

– Estar sempre mudando, pelo fato de estar sendo emprestado, às vezes, incomoda. Já conheço o grupo, a cidade, o clube...Por tudo o que eu falei, ficar mais um ano aqui seria bom – disse o jogador, que está emprestado ao Vasco pelo Cruzeiro até o fim deste ano.

Embora já esteja se sentindo em casa na Colina, onde atingiu a marca de ser o jogador que mais atuou na temporada, Pedro Ken lembra que sua permanência não depende só de seu desejo, e que será necessário um desejo do Gigante da Colina e um entendimento com a Raposa:

– É uma coisa que parte mais do clube e tem a questão do empréstimo, mas minha vontade é ficar. Me adaptei à cidade, ao clube, tenho o carinho da torcida, o respeito dos profissionais do clube, coisa que acho importante... Isso pesa. Espero ficar. É um clube gigante, com uma torcida apaixonada, estou bem e vamos ver o que acontece.

Com um número surpreendente em apenas uma temporada, Ken enumerou o que o credenciou a obter tal marca em tão pouco tempo.

– Primeiramente, pela minha dedicação no dia a dia, procuro me cuidar ao máximo para estar em boas condições e acho que isso ajuda. Fora isso, acho que é pela questão de, taticamente, procurar cumprir minha função, ser o mais solidário possível, ajudando e jogando para o time – destacou.

Bate-Bola

Pedro Ken
Meia em entrevista ao LANCE!

Completar 50 jogos com um Maracanã com quase 70 mil pessoas se torna ainda mais especial?

Muito especial. Se tiverem quase 70 mil pessoas no estádio será o maior público que vou ter jogado na minha carreira. E será por um grande clube, no Maracanã... são fatores que deixam esse momento realmente diferente na minha vida. Para ficar tudo perfeito temos que obter a vitória.

Pelo excesso de jogos, você foi poupado contra a Ponte. Acha que conseguirá aguentar fisicamente até o fim do Brasileiro?

Acho que sim. Mesmo com toda essa correria, sempre procurei me cuidar. Tive também essa semana para me recuperar e agora tem esta que estou podendo treinar a semana inteira. Estou procurando até fazer um treino diferente com a preparação física para conseguir estar preparado para os jogos. Acho que consigo e estarei 100%.

Após um início difícil, você tem recebido elogios como volante. Já sente esse reconhecimento?

Com certeza. Tenho conseguido conquistar o que vim buscar. Tenho conseguido jogar bem e ajudar o Vasco. Foi o que busquei. Jogar e ser reconhecido.