icons.title signature.placeholder Ivo Felipe
22/12/2013
11:03

A chegada do Brasil à decisão do Mundial Feminino de Handebol foi celebrada até mesmo pela alta cúpula da modalidade. Pelo menos, é o que diz o presidente da Federação Internacional (IHF, na sigla em inglês), o egípcio Hassan Moustafa. Em entrevista coletiva horas antes da decisão entre a Seleção Brasileira e a Sérvia, que ocorre às 14h15 (de Brasília), em Belgrado (SER), ele exaltou o feito.

- Para nós, o Brasil é um país muito importante. Todos nós da IHF estamos muito felizes que o Brasil conseguiu chegar à final. É só a terceira vez que um time de fora da Europa consegue chegar ao pódio. Alemanha, Dinamarca, Noruega... Todos poderiam ser campeões. Seria normal - disse Moustafa.

- Mas a chegada de um time de fora da Europa significa que estamos trabalhando bem para o desenvolvimento do esporte. Não podemos esquecer que a Olimpíada de 2016 será no Brasil. Estamos felizes que o Brasil pode ser um time a representar a IHF fora da Europa - completou.

De fato, os times não-europeus têm pouquíssimo sucesso no histórico dos Mundiais Femininos de Handebol. A única equipe a conseguir chegar entre os quatro primeiros foi a Coreia do Sul. Primeiramente, em 1995, quando ficou com a medalha de ouro. Oito anos mais tarde, o time asiático voltou ao pódio, com a terceira posição.