icons.title signature.placeholder Fellipe Lucena e Thiago Ferri
16/11/2014
11:35

Ao longo de sua vitoriosa carreira, Rogério Ceni desperdiçou 19 penalidades. A primeira delas foi em 2004, no Morumbi, palco do Choque-Rei deste sábado contra o Palmeiras: derrota para o Coritiba, por 3 a 2, no dia 1º de setembro. O goleiro da equipe paranaense era justamente Fernando Prass, rival da noite, na qual o camisa 01 deve fazer seu 100º e último clássico no estádio.

O clube coxa-branca vencia por 3 a 1 até os 36 minutos do segundo tempo, quando o Tricolor teve o pênalti a seu favor. Rogério foi para a bola, mas parou em Prass, que fez a defesa no canto direito. O clube paulista ainda fez o segundo, mas a derrota rendeu a saída do técnico Cuca - Emerson Leão assumiu em seu lugar.

Sete anos depois, o mesmo Morumbi representou uma importante marca para o camisa 25 do Verdão. Em 2011, contra o São Paulo, Prass chegou a 150 jogos pelo Vasco, sendo 100 deles seguidos. Apesar de todo este histórico, o palmeirense diz que a relação com o adversário deste Choque-Rei não passa do respeito.

- Não temos relação fora de campo. Foi até em um jogo no Morumbi que completei 100 jogos seguidos pelo Vasco, se não me engano a gente venceu. A relação é de respeito, por tudo que ele construiu no futebol, mas mais do que isso a gente não tem - resumiu.

Pelo Palmeiras, Fernando Prass fez dois jogos contra o São Paulo e está invicto: ficou no empate em 0 a 0 no ano passado, e venceu por 2 a 0 pelo Campeonato Paulista. Na derrota por 2 a 1 no primeiro turno ele estava lesionado, e Fábio foi o arqueiro.