icons.title signature.placeholder Caio Carrieri e Thiago Ferri
15/12/2013
09:30

Bruno César pode ser companheiro de Valdivia quase três anos depois de ironizar uma lesão do chileno em um clássico.

Na semifinal do Paulista de 2011, o Mago tentou ludibriar corintianos no Pacaembu ao tentar o famoso chute no vácuo, mas se lesionou no lance e foi substituído. O Dérbi terminou 1 a 1, e os alvinegros avançaram nos pênaltis.

Na semana seguinte ao jogo, Bruno ironizou Valdivia em um treino do Corinthians – repetiu a jogada e arrancou gargalhadas dos colegas, sobretudo Dentinho (veja no vídeo acima). 

– Aquilo não tem nada a ver, foi pura coincidência. Não sabia porque ele tinha saído, e aquela brincadeira sempre fazíamos em quase todos os treinos. Não tinha nada a ver com ele. Sabemos que ele é um grande jogador e eu não teria o motivo para fazer a brincadeira.

Vem novo chute no vácuo por aí?

– Deixa pra ele fazer, já que ele sabe dessas coisas. Não sou muito disso. Ele que criou, ele que faça.

Bruno César atua no exterior desde a metade de 2011, quando foi vendido pelo Corinthians ao Benfica (POR). No início deste ano, os Encarnados negociaram o atleta com o Al-Ahli, com quem ele tem vínculo por mais três anos, até o fim de 2016.

Por conta do longo contrato e o preço de Bruno ser alto (5 milhões de euros ou R$ 16 milhões) para a frágil situação financeira do Palmeiras, o caminho mais viável para o Verdão seria o empréstimo do atleta.

O meia aceitaria reduzir seu salário a fim de satisfazer o seu desejo de reaparecer nos estádios brasileiros. Por outro lado, rechaça logo de cara a possibilidade de se enquadrar na política de contratos de produtividade que a diretoria do Verdão utiliza em investidas por reforços e também em renovações dentro do elenco.