icons.title signature.placeholder Renato Rodrigues
icons.title signature.placeholder Renato Rodrigues
24/07/2013
15:53

A Portuguesa não deixará de prestar uma homenagem para Djalma Santos, segundo jogador com mais partidas disputadas na história do clube. Falecido aos 84 anos na noite da última terça-feira, em Uberaba (MG), após uma parada cardiorrespiratória, o ex-lateral-direito da Seleção Brasileira atuou 434 vezes pela Lusa, que agora prepara uma camisa diferente para o duelo com o Atlético-PR, neste sábado, no Canindé.

O fato curioso é que o ato acontecerá logo contra a equipe que ele encerrou a carreira. O ídolo atuou pelo Furacão de logo após deixar a Lusa (de 1968 a 1972). Além dos dois clubes, o lateral também fez história no Palmeiras. Em sua carreira ele só defendeu estas três camisas.

E MAIS:
Estrangeiros reverenciam Djalma Santos, 'um dos melhores de sempre'
Ex-palmeirenses exaltam Djalma Santos: 'Simples como o Papa'
Presidente da CBF decreta luto de três dias pela morte de Djalma Santos

A ideia inicial é usar um uniforme retrô com uma fita azul em cima do escudo. O detalhe é em alusão ao título honorário da Fita Azul, concedido às equipes brasileiras que retornavam invictas de excursões no exterior. Com Djalma na delegação, a Portuguesa fez duas viagens, em 1951 e 1953, e não perdeu nenhum jogo.

Na primeira, que teve passagens por Turquia, Espanha e Suécia, a Lusa conseguiu 10 vitórias e apenas um empate. Fenerbahçe, Besiktas, Valência e Atlético de Madrid foram algumas das vítimas do esquadrão rubro-verde. Já em 1953, os destinos foram Peru, Colômbia e Equador. Na ocasião, a equipe voltou com sete vitórias e quatro empates.

Djalma atuou em uma das equipes mais marcantes da história da Portuguesa. Ao lado de jogadores como Pinga, Julinho Botelho e Brandãozinho, ele também chegou a conquistar o títulos dos Torneios Rio-São Paulo de 1952 e 1955.

Sua passagem pelo Canindé foi de 1948 a 1959. Até hoje somente o ex-volante Capitão, com 496 partidas pela Lusa, entrou mais em campo que o ídolo brasileiro (434 jogos).

O craque Djalma Santos deixa saudades ao Futebol Brasileiro


A Portuguesa não deixará de prestar uma homenagem para Djalma Santos, segundo jogador com mais partidas disputadas na história do clube. Falecido aos 84 anos na noite da última terça-feira, em Uberaba (MG), após uma parada cardiorrespiratória, o ex-lateral-direito da Seleção Brasileira atuou 434 vezes pela Lusa, que agora prepara uma camisa diferente para o duelo com o Atlético-PR, neste sábado, no Canindé.

O fato curioso é que o ato acontecerá logo contra a equipe que ele encerrou a carreira. O ídolo atuou pelo Furacão de logo após deixar a Lusa (de 1968 a 1972). Além dos dois clubes, o lateral também fez história no Palmeiras. Em sua carreira ele só defendeu estas três camisas.

E MAIS:
Estrangeiros reverenciam Djalma Santos, 'um dos melhores de sempre'
Ex-palmeirenses exaltam Djalma Santos: 'Simples como o Papa'
Presidente da CBF decreta luto de três dias pela morte de Djalma Santos

A ideia inicial é usar um uniforme retrô com uma fita azul em cima do escudo. O detalhe é em alusão ao título honorário da Fita Azul, concedido às equipes brasileiras que retornavam invictas de excursões no exterior. Com Djalma na delegação, a Portuguesa fez duas viagens, em 1951 e 1953, e não perdeu nenhum jogo.

Na primeira, que teve passagens por Turquia, Espanha e Suécia, a Lusa conseguiu 10 vitórias e apenas um empate. Fenerbahçe, Besiktas, Valência e Atlético de Madrid foram algumas das vítimas do esquadrão rubro-verde. Já em 1953, os destinos foram Peru, Colômbia e Equador. Na ocasião, a equipe voltou com sete vitórias e quatro empates.

Djalma atuou em uma das equipes mais marcantes da história da Portuguesa. Ao lado de jogadores como Pinga, Julinho Botelho e Brandãozinho, ele também chegou a conquistar o títulos dos Torneios Rio-São Paulo de 1952 e 1955.

Sua passagem pelo Canindé foi de 1948 a 1959. Até hoje somente o ex-volante Capitão, com 496 partidas pela Lusa, entrou mais em campo que o ídolo brasileiro (434 jogos).

O craque Djalma Santos deixa saudades ao Futebol Brasileiro