icons.title signature.placeholder Valdomiro Neto
20/06/2014
18:49

Maracanã foi tomado por argentinos no jogo contra a Bósnia (FOTO: Paulo Sérgio/LANCE!Press)

Porto Alegre se prepara para receber uma legião de argentinos a partir de segunda-feira. Com a partida entre a Alviceleste e a Nigéria marcada para quarta-feira próxima, no Beira-Rio, pela terceira rodada do Grupo F, a expectativa é que a capital gaúcha receba cerca de 50 mil turistas do país vizinho, dada a proximidade geográfica entre o Rio Grande do Sul e o país. 

Para ser ter uma ideia da dimensão disso, franceses e holandeses, os turistas com mais afluxo até agora na cidade neste Mundial, foram com cerca de 1/5 disso, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública do Rio Grande do Sul. E, de acordo o secretário da pasta, Airton Michels, a preparação de logística e segurança para essa situação já estava traçada antes do início do torneio. 

- Não há nenhum esquema específico criado nos últimos dias. Claro, um jogo com 10 mil estrangeiros é uma coisa, com 50 mil é outra a operacionalidade. Para que os argentinos tenham uma melhor acolhida procuraremos dar uma maior atenção pelo volume. Nós, desde o momento em que foi feito o sorteio e essa partida caiu aqui, em dezembro do ano passado, já nos preparamos. Na verdade, estamos com nosso esquema armado desde o início dos protestos, no meio do ano passado. Criamos uma estrutura que não diz respeito a qualquer um dos países, trouxemos 1.500 policiais do interior, sendo 35 policiais civis - declarou em entrevista ao LANCE!Net.

Além da estrutura de policiamento, Michels aposta na relação cordial e próxima entre gaúchos e argentinos para que não haja nenhum problema. Duas partidas da Copa Libertadores ocorridas neste primeiro semestre envolvendo argentinos na cidade (Grêmio contra Newell's Old Boys e depois contra o San lorenzo) serviram de experiências desde a fronteira até a capital. 

- Claro que nesses dois jogos o contingente de argentinos foi bem menor, entre 2.500 e 3 mil, mas serviu para experimentarmos o esquema de segurança - complementou o secretário. 

Ainda assim, a Cidade Baixa, bairro de bares e intensa vida noturna de Porto Alegre, terá reforço da Policia Militar para evitar problemas. 

Chilenos provocaram tumulto no Maracanã e acenderam alerta para Porto Alegre (FOTO: Paulo Sérgio/ LANCE!Press)

DE OLHO NOS BARRA BRAVAS

A questão dos barra bravas (torcedores violentos) que atuam na Argentina e podem aparecer em jogos deste Mundial também está sob controle, assegura Michels. A Polícia Federal tem atuado na fronteira desde o começo do torneio e sete integrantes dessas torcidas foram impedidos de ingressar no Brasil. A Interpol (Policia internacional) repassou ao Governo Federal uma lista com 2,1 mil condenados na Argentina para que sejam impedidos de pisar em território nacional. 

- Eles causam problemas na Argentina e estamos de olho na vinda para cá. Pela proximidade, trocamos muitas informaçoes. Operações conjuntas antes na fronteira já fazíamos pela questão das armas e drogas. Acentuamos essa relação. Temos um sistema para rastrear esse tipo de torcedor. 

Outra preocupação está ligada à tentativa de invasão do estádio por torcedores sem ingresso. Episódios no Maracanã com argentinos e chilenos acendeu o sinal de alerta. Por isso, o rigor nas barreiras do entorno do Beira-Rio será fortalecido. Vale ressaltar que na Argentina foram vendidos pouco mais de 18.500 ingressos para o duelo contra a Nigéria, o que sugere que muitos dos que irão a Porto Alegre não terão bilhetes. 

A partida entre Argentina e Nigéria está marcada para a próxima quarta-feira, dia 25, às 13h, no Beira-Rio, Será o penúltimo jogo do estádio na Copa. Antes, ele recebe neste domingo Argélia x Coreia do Sul e na segunda, dia 30, um jogo das oitavas de final (primeiro colocado do Grupo G x segundo colocado do Grupo H).