icons.title signature.placeholder Luis Fernando Coutinho
12/03/2014
14:15

Enquanto dá um tempo em sua carreira no MMA e ainda não decide se retornará ou não ao octógono do UFC, Georges Saint Pierre parace se empenhar em outra luta dentro do esporte: a contra o doping. Logo após o anúncio da interrupção de sua carreira, o ex-campeão meio-médio do Ultimate fez duras críticas ao modo como o UFC e outras organizações fiscalizam o doping no esporte. As palavras do canadense chegaram até a incomodar Dana White. No Rio de Janeiro para cumprir compromissos com um de seus patrocinadores, GSP falou ao LANCE!Net sobre a situação do doping no esporte, o banimento do TRT, entre outras coisas.

St Pierre chegou a classificar o tratamento das organizações em relação aos exames antidoping como um dos motivos que o fizeram se afastar do MMA. Ao ser perguntado sobre que tipos de mudanças deveriam acontecer para que o mesmo volte a lutar no UFC, o ex-campeão se explicou e esclareceu que suas declarações anteriores não tinham a intenção de atingir o Ultimate.

- Muitas coisas tem de mudar (para eu voltar ao UFC). Tornei isso público e falei sobre o doping e a performance sob ele. Não fiz isso para atingir ou culpar o UFC. Acredito que se você ataca um indivíduo, outros 12 virão em cima de você. Não ataquei o UFC. Sempre fui parte do evento e defendi o esporte. Mas é um esporte novo e acredito que essa deveria ser a diretriz, deveria isso ser mais testado, pois penso que isso é um grande problema. Estou feliz que eles baniram o TRT, era um grande problema. Mas ainda acho que existem outras coisas a se fazer. Não fiz aquilo para culpar o UFC, fiz aquilo para mudar o sistema. É o sistema que quero atacar, não a organização. O sistema individualmente. O sistema dentro do esporte. O UFC é uma organização dentro do esporte - se explicou St Pierre, durante um evento em um hotel de luxo localizado em Ipanema, no Rio de Janeiro.

O canadense ainda sugeriu uma fórmula de tornar o "sistema" mais confiável diante de possíveis "trapaças" no esporte. Segundo Georges, exames feitos de forma aleatória (de surpresa) seriam uma saída.

- Temos de encontrar uma solução para o problema. E acredito que o que eles deveriam fazer é testes aleatórios. Especialmente para lutas de título, mas para outras lutas também. Testar isótopos de carbono. Acho que é um dos principais testes usados recentemente e é muito difícil de trapacear. É algo que deviam pensar a respeito ou formar um plano para isso - avaliou.

Confira um bate-bola com Georges Saint Pierre
O sistema antidoping usado no UFC foi um dos motivos que fizeram você interromper sua carreira?
Foi uma das razões, mas não foi a única razão. O UFC sempre foi ótimo comigo, sempre tive orgulho de fazer parte do UFC, o evento me tornou no que sou hoje. Se estou saudável agora, é por causa do UFC. Jamais seria quem sou hoje sem eles. Não se trata apenas do UFC. Isso ultrapassa o UFC, é sobre o esporte. Realmente acredito que o esporte precisa ser conhecido como mais organizado. E ainda mais com relação a teste antidoping. Isso é um grande problema para o esporte. Sempre pensei assim e não sou o único.

St Pierre venceu Hendricks em sua última luta, no UFC 167 (FOTO: Divulgação/UFC)

Que tipo de apoio você recebeu após fazer críticas ao exame antidoping no MMA?
Quando fiz aqueles comentários, recebi inúmeras mensagens de texto de pessoas que estavam com medo. Repórteres e atletas. Eles diziam: "Obrigado pelo que você está fazendo. Você estão contando a verdade, precisamos de caras como você para dizer isso e fazer as coisas mudarem."

Você já sente falta de alguma coisa da rotina de lutador?
Ainda não sinto falta de nada. Como falei: queria que algumas coisas mudassem... Independente de se mudarão ou não, sempre serei um grande fã do UFC. Sempre vou assistir e apoiar o UFC e o MMA. Quero tentar fazer com que o esporte vá numa direção positiva. É tudo o que quero. Quero fazer algo positivo para ajudar o esporte a alcançar a próxima plataforma. Veja o que aconteceu no ciclismo. Agora, eles guardam os testes por dez anos. O cara que termina em primeiro esse ano, teria terminado em 40º dez anos atrás. Drogas são uma vantagem enorme. Eles tem de fazer algo. Especialmente quando você é um lutador. Você pode perder sua vida, ter danos graves por conta de uma derrota. No ciclismo, se você perde uma corrida, é ruim para seu ego e seu dinheiro. Mas se você perde uma luta, não é ruim apenas pelo dinheiro e o ego. É também ruim para sua saúde.