icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
05/11/2013
17:41

Mais uma tentativa de abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a CBF foi por água abaixo. Desta vez foi no Senado. Nove dos 33 senadores que apoiaram inicialmente o requerimento do senador Mário Couto (PSDB-PA) retiraram apoio e o texto não pôde ser lido nesta terça-feira pelo presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL)

O intuito era averiguar o suposto abuso de poder na relação da entidade com as federações estaduais. A virada no placar que beneficiou a CBF foi articulada pelo senador Zezé Perrella (PDT-MG), ex-presidente do Cruzeiro. Eram necessárias 27 assinaturas para que o projeto avançasse.

- Sei eu que o senador Perrella procurou alguns senadores para retirar as assinaturas. Não desisto, vou novamente colher assinaturas. Vou entrar no Ministério Público Federal. Vou entrar na Procuradoria Geral da República. Dane-se o senado. Os senadores não querem? Danem-se os senadores - disparou Mário Couto no plenário.

Perrella respondeu ao ataque e admitiu ter atuado segundo os interesses da presidência da CBF.

- Nesse momento de Copa do Mundo, entendo que não seria bom fazer uma CPI contra a CBF. Trabalhei para que a CPI não acontecesse sim. Tem 66 senadores nesta casa que não querem CPI - disse o parlamentar.

Exaltado, Mário Couto ainda rebateu:

- O senhor não quis a CPI porque o senhor foi presidente de um grande clube no Brasil e precisa da CBF, é ligado a ela, é amigo dele (Marin). Por isso você precisa dele. Senador que retira assinatura não merece o meu respeito! Vossa Excelência passou a noite inteira bisbilhotando para que os senadores retirassem assinatura! Seja homem, seja homem, não se envergonhe!

Diante do discurso acalorado do senador paraense, foi preciso intervenção do presidente Renan Calheiros, que mandou cortar o som do microfone. Perrella ainda tomou a palavra para acrescentar:

- Eu liguei para o presidente José Maria Marin e me ofereci para ajudar.

Senadores que retiraram assinaturas:

Ivo Cassol (PP-RO)
Lobão Filho (PMDB-MA)
João Alberto (PMDB-MA)
Maria do Carmo Alves (DEM-SE)
Cícero Lucena (PSDB-PB)
Wilder Morais (DEM-GO)
Clésio Andrade (PMDB-MG)
Cássio Cunha Lima (PSDB-PB)
Paulo Davim (PV-AC)