icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
04/07/2014
20:02

Aos 22 anos, Neymar e James Rodríguez têm muito mais em comum. Os craques precoces foram escolhidos para serem os ícones de suas seleções na Copa do Mundo. Foram os nomes eleitos para defenderem as camisas 10 de Brasil e Colômbia, fonte de esperança para as duas nações. Nesta quinta-feira, James se despediu do Mundial aos prantos. Já Neymar, com lágrimas nos olhos devido a forte pancada na coluna, não pôde comemorar a classificação brasileira para a semifinal.

- São dois jogadores que dão gosto de ver jogar. E são muito jovens para as responsabilidades que carregam, mas acredito que eles responderam bem, embora pudessem dar um pouco mais também - analisou o argentino José Pekerman, treinador da Colômbia.

Em 2006, Pekerman teve a missão de lançar os jovens Tévez e Messi na Copa do Mundo da Alemanha. Depois de três vitórias imponentes na primeira fase e de triunfo sofrido nas oitavas diante do México, o comandante argentino caiu para os alemães nas quartas de final e viu seus garotos chorarem a eliminação. A cena se repetiu na mesma fase, agora com James Rodríguez.

- O trabalho de James foi excelente. Tem um talento enorme e tem ambições. Tenta sempre ser o melhor dos jogos quie disputa, é muito competitivo, acho que o Mundial perdeu um dos melhores jogadores. Tratei de tranquilizá-lo porque ele merece felicitações, é um dos grandes jogadores da atualidade que podemos desfrutar - exaltou.