icons.title signature.placeholder Eduardo Moura
01/04/2014
19:54

O Ministério Público gaúcho solicitou as imagens da Arena do Grêmio e pediu que a polícia abre inquérito para investigar os atos racistas cometidos por um torcedor contra o zagueiro Paulão ao final do clássico Gre-Nal do último domingo. O clube gaúcho não conseguiu identificar o torcedor na primeira parte das imagens e espera uma nova remessa de vídeos da rede de segurança para nova avaliação.

A Promotoria Especializada do Torcedor enviou o documento para a 4ª Delegacia de Porto Alegre. Após o jogo, já entrou em contato com a Arena, gestora do estádio gremista, para conseguir as imagens do caso, para encaminhamento par aa Polícia Civil.

O Grêmio ainda não conseguiu identificar o agressor do zagueiro. O clube recebeu a primeira parte das imagens nesta segunda-feira. A análise mais detalhada foi feita à tarde e nesta terça. Mas não foi possível concluir quem fez o ato racista com o jogador do Internacional. O advogado gremista, Thiago Brunetto, afirmou que já entrou em contato com a Arena para pedir novas imagens, nesta terça.

O clube espera receber os arquivos nesta quarta-feira, já que há um procedimento mais criterioso. São imagens de outras áreas do estádio e que precisam de um tratamento. Zoom e aproximação, para que seja possível observar a região próxima ao túnel, onde a ofensa teria acontecido. Assim que obtiver todo o material em mão, o clube garante que vai repassar para o Ministério Público, para que haja uma responsabilização na esfera civil.

O procurador do TJD-RS, Alberto Franco, afirmou que vai denunciar o Tricolor pela conduta do seu torcedor. O Tricolor deve ser multado pelo tribunal, em caso semelhante ao do Pelotas, quando um torcedor xingou o goleiro Lúcio, do São Paulo-RS, com ofensas racistas.

O zagueiro Paulão não quis levar o caso adiante. O defensor deixava o campo da Arena quando ouviu sons de macaco, segundo seu relato, imitados por um torcedor. Foi em sua direção e o aplaudiu ironicamente. O gremista se escondeu na arquibancada. Na zona mista, afirmou que não queria entrar em uma briga que os negros estão perdendo.

No Gauchão, outro caso de ofensas racistas tomou notoriedade. Foi contra o árbitro Márcio Chagas, que foi ofendido e teve o carro depredado no estacionamento do Estádio Montanha dos Vinhedos. Duas bananas foram colocadas no escapamento. O Esportivo foi multado com perda de cinco mandos de campo e multa de R$ 30 mil.