icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
13/07/2013
21:10

O duelo entre Juventus e Joseense, válido pela Copa Paulista, precisou ser interrompido porque a única ambulância do Estádio Conde Rodolfo Crespi teve que ser disponibilizada para o torcedor Vinícius Hijano de Souza que fraturou a perna esquerda ao comemorar o gol do Juventus na vitória do time por 1 a 0.

Ao comemorar o gol marcado pelo apoiador Rafael, Vinícius escorregou e fraturou tíbia e fíbula, ossos da perna esquerda. O incidente fez com que a partida ficasse paralisada por volta de dez minutos, respeitando o artigo do Estatuto do Torcedor que afirma: " é dever da entidade responsável pela organização da competição: disponibilizar uma ambulância para cada dez mil torcedores presentes à partida". No duelo em Mooca, São Paulo, haviam pouco mais de 800 espectadores.

O torcedor, de 27 anos, será submetido a uma cirurgia cujos gastos serão cobertos pelo seu próprio convênio médico. Ao jornal "Folha de São Paulo", Vinícius garantiu estar bem:

- Ainda dói muito. Estou melhor agora porque fui medicado. Vou ser operado amanhã e não tenho previsão de alta.

O duelo entre Juventus e Joseense, válido pela Copa Paulista, precisou ser interrompido porque a única ambulância do Estádio Conde Rodolfo Crespi teve que ser disponibilizada para o torcedor Vinícius Hijano de Souza que fraturou a perna esquerda ao comemorar o gol do Juventus na vitória do time por 1 a 0.

Ao comemorar o gol marcado pelo apoiador Rafael, Vinícius escorregou e fraturou tíbia e fíbula, ossos da perna esquerda. O incidente fez com que a partida ficasse paralisada por volta de dez minutos, respeitando o artigo do Estatuto do Torcedor que afirma: " é dever da entidade responsável pela organização da competição: disponibilizar uma ambulância para cada dez mil torcedores presentes à partida". No duelo em Mooca, São Paulo, haviam pouco mais de 800 espectadores.

O torcedor, de 27 anos, será submetido a uma cirurgia cujos gastos serão cobertos pelo seu próprio convênio médico. Ao jornal "Folha de São Paulo", Vinícius garantiu estar bem:

- Ainda dói muito. Estou melhor agora porque fui medicado. Vou ser operado amanhã e não tenho previsão de alta.