icons.title signature.placeholder Caio Carrieri
07/04/2014
19:19

O Palmeiras fechou nesta segunda-feira o empréstimo de Vinicius ao Vitória, que provavelmente terá o jogador de 20 anos até dezembro. Em má fase no Verdão, o atacante diz que também tinha ofertas de Goiás, Figueirense e Criciúma. Ele justifica que escolheu o Leão por ter amigos no clube baiano e avalia como justa a sua liberação pelo Alviverde, mas revela uma ponta de mágoa por sair "de casa".

- Sempre vou agradecer ao Kleina pelas oportunidades que me deu no time. Infelizmente no Paulista eu não consegui ir bem e em um jogo você perde os méritos que conquistou em anos. Fico triste por deixar a minha casa, mas acho que o empréstimo foi justo - declarou ao LANCE!Net o atleta, que deixará o Palestra Itália após 103 partidas e oito gols marcados.

Nos profissionais do Palmeiras desde o Campeonato Paulista de 2010, quando foi promovido pelo então treinador Antônio Carlos Zago, o jovem atleta fez a sua última partida nesta passagem pelo clube em 30 de março. Nesta data, substituiu o lesionado Alan Kardec no primeiro tempo, mas não conseguiu evitar a derrota por 1 a 0 e consequente eliminação para o Ituano, no Pacaembu.

- Vai ser uma mudança que espero que seja muito boa. Uma experiência nova, é sempre importante isso na sua vida. Às vezes você não tem a dimensão do mercado do futebol. Eu já tive proposta de clube da Europa, mas espero honrar ao máximo a camisa do Vitória. Vai ser uma mudança bem legal. Lá eu conheço o Gustavão (zagueiro Luiz Gustavo, também emprestado pelo Palmeiras), o Ayrton, o Dinei e também o Euler, que conheci nas seleções de base.

Com contrato até setembro de 2017 com o Alviverde, Vinicius também ficou marcado no jogo do rebaixamento da equipe no Brasileiro de 2012. Então com poucas chances com Kleina, ele entrou no segundo tempo em Volta Redonda (RJ) contra o Flamengo, marcou um gol que daria esperança de sobrevida ao Palmeiras, mas a bola na rede de Vagner Love e os resultados da rodada sepultaram o Palmeiras.

- Como não tinha opções, o Kleina optou por mim, mas eu fiz o meu trabalho dentro de campo para merecer espaço. No ano seguinte, pelo fato de estar trabalhando bem, tive chance na Libertadores, mas como de costume no Palmeiras o pessoal da base sempre volta para o banco e foi o que aconteceu comigo. Mas sempre agradeço ao Kleina pelas oportunidades que ele me deu.