icons.title signature.placeholder Felipe Domingues, Guilherme Cardoso e Luis Fernando Ramos
07/11/2014
15:02

Confira o novo som dos motores da Fórmula 1!

Talvez uma das maiores polêmicas da Fórmula 1 nessa temporada tenha sido a mudança dos motores. Por simplesmente diminuírem de potência, do V8 para o V6? Não. Pelo som. Mais baixo, o barulho dos carros da categoria diminuiu e, nesta sexta-feira, foi menor até mesmo que dos competidores da Porsche Cup, uma categoria de turismo.

- Eu achei ruim, gostava mais do antigo. Mesmo usando o protetor auricular, a gente gostava de ouvir o barulho dos carros. Era mais emocionante. Agora a gente nem sabe que o carro está na pista. Conseguimos ouvir até as derrapadas - disse Marco Antônio, segurança de 48 anos.

A alteração causou até uma "richa" interna na Fórmula 1. O presidente da FIA, Jean Todt, acredita que a diminuição da potência do motor é uma forma de manter a categoria mais sustentável e menos poluente. Para o chefão da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, o barulho antigo cativava muito mais e faz falta no paddock.

- Eu venho todo o ano. Estava conversando com meu amigo e disse: 'Acabaram com a graça do som antigo'. Parece que tem algo abafando o som do motor. Estou bem no alto, então não dá para ouvir nada. Para quem sempre vem aqui, como eu, que vim dez vezes, faz falta. Antes você ouvia o barulho do motor e se arrepiava inteiro, hoje não tem mais isso. Sinto falta do motor antigo - reclamou Exautino Apolinário, de 43 anos, gerente que acompanha assiduamente a F-1 no Brasil.

A animação do público com a própria categoria diminuiu. Nas duas primeiras sessões de treinos livres, as arquibancadas estiveram praticamente vazias. Na frente da reta principal, por exemplo, era possível contar o número de espectadores.

- Trabalho aqui há seis anos. Decepcionou (o som). Teve um momento que comentei com um amigo: 'Tem só um carro na pista?' e ele me respondeu que estavam todos - disse Marcelo Ferreira, de 46 anos. O funcionário público estadual, porém, teve um análise contrária a de Ermir Ferreira, gerente administrativo de 36 anos:

- Particularmente eu gostei. Não sinto falta do barulho antigo. A gente percebe que diminuiu aquele barulho intenso, mas ainda está bom, eu gostei.