icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
24/07/2013
17:05

Ao contratar o goleiro Diogo Silva, que jogava pelo Nova Iguaçu, em 2011, o Vasco contraiu um dívida de R$ 1 milhão que ainda não foi paga. O montante foi dividido em dez parcelas de R$ 100 mil, mas nenhuma foi quitada. Entretanto, os dois clubes garantem que a situação será resolvida.

O presidente do Nova, Jânio Moraes, aposta que a boa relação entre as agremiações será crucial para que tudo tenha um desfecho positivo.

- Estamos conversando para acertar isso e está caminhando bem. Ele já tem contrato e é jogador do Vasco. Não vai ser problema nem pro jogador, nem pro Nova Iguaçu e nem pro Vasco. Está tudo sob controle. O Nova Iguaçu sabe que a situação do Vasco não é fácil, que não era viável. Agora, com o empenho da diretoria, com certeza ainda vão se acertar para pagar. Vou poder continuar fazendo meu trabalho - disse Jânio ao site FutRio.

VEJA TAMBÉM:
>VÍDEO Endiabrado, Montoya bagunça a defesa durante o treino
> Com carisma e bom humor, Guiñazú é apresentado no Vasco

Já Roberto Dinamite, mandatário vascaíno, chegou a se irritar durante a coletiva de apresentação do volante Guñazu quando foi questionado em relação às dívidas adquiridas nas contratações de Diogo e de Tenório. Porém, garantiu que tudo será pago em breve.

- Esse é o meu objetivo aqui e vamos estar trabalhando dia e noite para que o Vasco possa realmente ser vitorioso não só dentro de campo, mas que possa ser também uma referência fora dele. O Diogo Silva tem um vínculo, um contrato, e a relação com seu representante é a melhor possível, e possivelmente vamos estar definindo, já existe uma definição com relação à permanência em definitivo, e do Tenório, vou só lembrar no dia de hoje o belo gol que ele marcou de cabeça que ajudou o Vasco a fazer 3 a 1 contra o Fluminense no domingo - contou.

O Vasco ainda deve 600 mil dólares (cerca de R$ 1,2 milhão) aos empresários de Tenório. No início de 2012, o clube carioca pagou R$ 1,2 milhão aos agentes do equatoriano para confirmar a contratação. A outra parte do montante deveria ter sido quitado em dezembro último, mas não foi.

Ao contratar o goleiro Diogo Silva, que jogava pelo Nova Iguaçu, em 2011, o Vasco contraiu um dívida de R$ 1 milhão que ainda não foi paga. O montante foi dividido em dez parcelas de R$ 100 mil, mas nenhuma foi quitada. Entretanto, os dois clubes garantem que a situação será resolvida.

O presidente do Nova, Jânio Moraes, aposta que a boa relação entre as agremiações será crucial para que tudo tenha um desfecho positivo.

- Estamos conversando para acertar isso e está caminhando bem. Ele já tem contrato e é jogador do Vasco. Não vai ser problema nem pro jogador, nem pro Nova Iguaçu e nem pro Vasco. Está tudo sob controle. O Nova Iguaçu sabe que a situação do Vasco não é fácil, que não era viável. Agora, com o empenho da diretoria, com certeza ainda vão se acertar para pagar. Vou poder continuar fazendo meu trabalho - disse Jânio ao site FutRio.

VEJA TAMBÉM:
>VÍDEO Endiabrado, Montoya bagunça a defesa durante o treino
> Com carisma e bom humor, Guiñazú é apresentado no Vasco

Já Roberto Dinamite, mandatário vascaíno, chegou a se irritar durante a coletiva de apresentação do volante Guñazu quando foi questionado em relação às dívidas adquiridas nas contratações de Diogo e de Tenório. Porém, garantiu que tudo será pago em breve.

- Esse é o meu objetivo aqui e vamos estar trabalhando dia e noite para que o Vasco possa realmente ser vitorioso não só dentro de campo, mas que possa ser também uma referência fora dele. O Diogo Silva tem um vínculo, um contrato, e a relação com seu representante é a melhor possível, e possivelmente vamos estar definindo, já existe uma definição com relação à permanência em definitivo, e do Tenório, vou só lembrar no dia de hoje o belo gol que ele marcou de cabeça que ajudou o Vasco a fazer 3 a 1 contra o Fluminense no domingo - contou.

O Vasco ainda deve 600 mil dólares (cerca de R$ 1,2 milhão) aos empresários de Tenório. No início de 2012, o clube carioca pagou R$ 1,2 milhão aos agentes do equatoriano para confirmar a contratação. A outra parte do montante deveria ter sido quitado em dezembro último, mas não foi.