icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
25/07/2014
20:03

Paulo Nobre, presidente do Palmeiras, emitiu nota na noite desta sexta-feira para repudiar decisão tomada pela Polícia Militar de São Paulo na manhã desta sexta-feira para a segurança dos torcedores no clássico com o Corinthians, domingo, em Itaquera.

O dirigente criticou o planejamento da PM, que não prevê escolta para os palmeirenses que utilizarão um trem da CPTM para chegar ao estádio.

Após reunião realizada no fim da tarde desta sexta, ficou definido que a torcida alviverde se reunirá na estação Palmeiras-Barra Funda do metrô, a partir das 10h de domingo, e seguirá para a estação Luz. De lá, irá de trem até a estação Dom Bosco, uma depois do ponto da Corinthians-Itaquera. Os visitantes se deslocarão todos em um mesmo trem. Em seguida, eles farão a pé um trajeto de 4 km até o estádio, desta vez escoltados pelos policiais.

Inicialmente, estava previsto que a torcida do Corinthians utilizaria os trens da CPTM para chegar ao Dérbi de domingo, enquanto os palmeirenses teriam de fretar ônibus. A Mancha Alviverde, principal organizada do Palmeiras, alegou que não conseguiu alugar 30 veículos em tão pouco tempo e, mesmo em decisão contrária à recomendação da PM, informaram que iriam de metrô.

As autoridades chegaram a dizer que os palmeirenses que não fossem de organizada e quisessem chegar a Itaquera com transporte público não deveriam se vestir caracterizados com roupas que façam referência ao clube.

Apesar da nova determinação, tomada após manifestação dos organizados palmeirenses, a PM avisa que a segurança entre as estações de trem ficará sob responsabilidade da CPTM.

CONFIRA A ÍNTEGRA DO COMUNICADO DE PAULO NOBRE:

"O presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, vem a público repudiar a decisão da Polícia Militar de São Paulo de segregar a torcida palmeirense alegando que não conseguirá garantir segurança no metrô àqueles que forem assistir ao clássico contra o Corinthians, no próximo domingo (27).

O Palmeiras espera que a Polícia exerça seu papel de garantir segurança aos cidadãos e não concorda com esta transferência de responsabilidade. O clube se solidariza com seus torcedores e informa que já entrou em contato com o 2o. Batalhão de Choque solicitando que se encontre uma solução para o problema."