icons.title signature.placeholder Guilherme Palenzuela
icons.title signature.placeholder Guilherme Palenzuela
05/07/2013
16:15

Muricy Ramalho é o favorito a ocupar o cargo de técnico deixado por Ney Franco no São Paulo. Tricampeão brasileiro pelo clube, no qual esteve entre 2006 e 2009, é o preferido do presidente Juvenal Juvêncio, agrada à maioria da diretoria e do Conselho e serviria como alternativa política para as eleições de 2014. Além disso, afirmou ao programa Papo com Benja, da LANCE!TV, que não haveria complicações para acertar com o "amigo" Juvenal, como já fez em oportunidades anteriores, caso o clube ficasse sem treinador.

A preferência da torcida é a mesma. Desde que Muricy foi demitido do Santos, o pedido nas arquibancadas do Morumbi pelo retorno do treinador passou a ser cantado. Na derrota para o Goiás, por 1 a 0, no dia 5 de junho - primeiro jogo do São Paulo após a demissão do técnico da Vila Belmiro - os gritos se iniciaram e não ficaram restritos à arquibancada. Após o apito final, um grupo de torcedores passou cerca de 30 minutos reforçando o pedido e as críticas a Ney Franco no portão principal do estádio.

Muricy é o favorito, mas não é unanimidade. Se voltar ao São Paulo agora, ele encontrará os mesmos opositores que tinha em 2009, os quais chamava de "cornetas", que colaboraram para sua saída após o quarto fracasso na Libertadores. Porém, mesmo os que não são favoráveis já aceitam o retorno. A única ressalva com Muricy é em relação aos salários. No Santos, ele recebia R$ 700 mil mensais, valor muito superior ao que era pago a Ney Franco e aos últimos treinadores que passaram pelo Morumbi.

A outra opção cogitada nas conversas entre a diretoria é Dorival Júnior. Um dos dirigentes da cúpula tricolor pediu a Juvenal Juvêncio a contratação do treinador, que deixou o Flamengo em março por não concordar em reduzir o salário para permanecer. O nome é bem aceito, principalmente porque Paulo Henrique Ganso teve sua melhor fase nas mãos do treinador, em 2010, no Santos. No São Paulo, o meia ainda não conseguiu desempenhar o mesmo. O nome, não entanto, não tem a mesma aceitação do que o de Muricy entre os demais integrantes da diretoria.

Ao Benja, Muricy elogia Juvenal e indica que acertaria em dois minutos

Muricy Ramalho é o favorito a ocupar o cargo de técnico deixado por Ney Franco no São Paulo. Tricampeão brasileiro pelo clube, no qual esteve entre 2006 e 2009, é o preferido do presidente Juvenal Juvêncio, agrada à maioria da diretoria e do Conselho e serviria como alternativa política para as eleições de 2014. Além disso, afirmou ao programa Papo com Benja, da LANCE!TV, que não haveria complicações para acertar com o "amigo" Juvenal, como já fez em oportunidades anteriores, caso o clube ficasse sem treinador.

A preferência da torcida é a mesma. Desde que Muricy foi demitido do Santos, o pedido nas arquibancadas do Morumbi pelo retorno do treinador passou a ser cantado. Na derrota para o Goiás, por 1 a 0, no dia 5 de junho - primeiro jogo do São Paulo após a demissão do técnico da Vila Belmiro - os gritos se iniciaram e não ficaram restritos à arquibancada. Após o apito final, um grupo de torcedores passou cerca de 30 minutos reforçando o pedido e as críticas a Ney Franco no portão principal do estádio.

Muricy é o favorito, mas não é unanimidade. Se voltar ao São Paulo agora, ele encontrará os mesmos opositores que tinha em 2009, os quais chamava de "cornetas", que colaboraram para sua saída após o quarto fracasso na Libertadores. Porém, mesmo os que não são favoráveis já aceitam o retorno. A única ressalva com Muricy é em relação aos salários. No Santos, ele recebia R$ 700 mil mensais, valor muito superior ao que era pago a Ney Franco e aos últimos treinadores que passaram pelo Morumbi.

A outra opção cogitada nas conversas entre a diretoria é Dorival Júnior. Um dos dirigentes da cúpula tricolor pediu a Juvenal Juvêncio a contratação do treinador, que deixou o Flamengo em março por não concordar em reduzir o salário para permanecer. O nome é bem aceito, principalmente porque Paulo Henrique Ganso teve sua melhor fase nas mãos do treinador, em 2010, no Santos. No São Paulo, o meia ainda não conseguiu desempenhar o mesmo. O nome, não entanto, não tem a mesma aceitação do que o de Muricy entre os demais integrantes da diretoria.

Ao Benja, Muricy elogia Juvenal e indica que acertaria em dois minutos