icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci
15/06/2014
15:22

Se antes da Copa do Mundo o discurso do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, já era otimista, depois dos primeiros jogos do Mundial ele está ainda mais empolgado. No evento de inauguração do Museu Pelé, em Santos, ele exaltou bastante a organização do torneio, destacou os pontos positivos do torneio e minimizou problemas.

Porém, nem tudo é festa. Questionado sobre os xingamentos à presidente Dilma Rousseff na abertuda da Copa, quinta-feira, na Arena Corinthians, em Itaquera, Rebelo subiu o tom e fez críticas à atitude.

- Há que se fazer diferença entre vaia, que é comum nos estádios com jogadores, técnicos, árbitros, e o xingamento, que ultrapassa o limite da manifestação política. É uma demonstração de intolerância, falta de respeito, educação... Pessoas que receberam instrução formal assumiram comportamento quase selvagem, marcado pelo ódio, é inaceitável, imperdoável. O espetáculo de abertura não merecia aquele ato de desrespeito a qualquer pessoa, principalmente com a presidenta - comentou.

Indagado sobre problemas de acesso a alguns estádios, falta de comida em lanchonetes e outros problemas da Copa, Aldo comentou que algumas questões competem à Fifa e que o Governo tem cumprido o que se comprometeu a fazer.

- Os aeroportos, a mobilidade, a segurança pública, a rede hoteleira, o sistema de saúde, tudo que deveria responder às expectativas do evento, respondeu. Na parte técnica temos uma Copa espetacular, jogos de grande qualidade, marcantes, como o que realizaram Espanha e Holanda. Daqui por diante é seguir o padrão estabelecido e conduzir os trabalhos para o desfecho, a final no Maracanã, em 13 de julho - falou.