icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
02/11/2013
18:16

A modernização da infraestrutura aeroportuária para receber os turistas estrangeiros durante a Copa do Mundo de 2014 e atender à demanda interna do Brasil é tido como um dos grandes legados do evento para a população. Porém, seis das doze obras de aeroportos nas cidades-sedes que receberão o evento apresentam algum tipo de atraso para a Copa. Destes, é certo que o de Fortaleza não cumprirá uma das etapas de expansão a tempo, segundo relatório do Tribunal de Contas da União (TCU). O ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República, Wellington Moreira Franco, elegeu os responsáveis por este atraso: os engenheiros.

- Os atrasos não acontecem por falta de dinheiro ou de vontade, é por responsabilidade. Os projetos que pegamos para executar são muito ruins, e temos refazer todos eles. Temos uma geração inteira de engenheiros nos anos 1970 e 1980 que saíram da faculdade direto para o mercado financeiro, então há uma carência de profissionais experientes e qualificados nessa área. Os jovens não saem bem formados da faculdade e os projetos são muito ruins. As empresas tem uma dificuldade muito grande em suprir isso e fazem verdadeiros milagres. Os engenheiros são ruins - afirmou Moreira Franco, durante o Encontro Nacional de Editores da Coluna Esplanada, realizado nesta semana.

Apesar dos atrasos, a Infraero, responsável pela maioria das obras, garante que todas ficarão prontas até junho de 2014, quando começa a Copa do Mundo no Brasil.