icons.title signature.placeholder João Pires
08/04/2014
10:34

O tênis de mesa nasceu na Grã-Bretanha e foi se tornar um sucesso na China. No Brasil, a modalidade nunca teve apelo. Entretanto, com os Jogos Olímpicos de 2016 à vista, o país se prepara para não fazer feio em casa e, quem sabe, obter uma inédita medalha.

Para isso, a aposta é a equipe masculina, que conta com três atletas entre os 100 do atual ranking mundial: Gustavo Tsuboi (69º), Cazuo Matsumoto (89º) e Hugo Calderano (93º). Este último tem 17 anos e recebe uma atenção especial da Confederação Brasileira (CBTM).

Considerado um “fenômeno”, Calderano é avaliado de forma detalhada pelo técnico da Seleção masculina, o francês Jean-René Mounié. Com a incrível evolução, a expectativa da CBTM é que ele chegue em 2016 como um dos 30 melhores do mundo (hoje é o 93º).

– A meta principal é otimizar o que ele (Hugo) sabe fazer, pois precisa ir muito bem naquilo que tem de especial. É fundamental um ambiente que permita evoluir em alto nível, principalmente quando você tem um atleta com um perfil especial, como o Hugo — disse Mounié.

Calderano projeta uma equipe brasileira forte no Rio-2016:

– Não vai ser fácil, e não vamos ser favoritos, mas podemos surpreender e brigar por uma medalha.

Além da expectativa depositada em Calderano, a CBTM ainda estabelece metas para a equipe. O objetivo é que o Brasil tenha dois atletas entre os 50 do mundo e alcancepelo menos a oitava colocação no ranking por equipes – atualmente é o 14º na lista liderada pela China).

– Medalha individual será difícil, pois projetamos o Calderano no Top 30 em 2016, e isso não o dará possibilidade de medalha ainda, mas sim para 2020, em Tóquio. Nosso plano é que a equipe esteja entre as oito do ranking e que possamos obter um bronze – disse Alaor Azevedo, presidente da CBTM.

Para 2016, o Brasil já tem as vagas asseguradas por ser sede dos Jogos. Serão três atletas por naipe, sendo que no individual jogam somente dois. Já em preparação, a Seleção Brasileira se reúne a cada dois meses em São Caetano do Sul (SP). Durante as disputas internacionais, a equipe se reúne em uma sede em Ochsenhausen (ALE).