icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
15/11/2013
09:04

Os cálculos que definiram o reajuste do preço dos ingressos para a final da Copa do Brasil foram feitos pelo departamento de marketing, encaminhados à alta cúpula do Flamengo e aprovados sem ressalvas. O fato é apenas mais um que mostra a ingerência do setor que funciona como um segundo poder dentro do clube desde que esta gestão assumiu.

A palavra final sempre ganha coro de Luiz Eduardo Baptista, vice da pasta e nome mais conhecido do marketing. Embora as decisões sejam tomadas em São Paulo, onde fica o dirigente durante a maior parte do tempo, a equipe conta com outras três peças influentes – Frederico Luz, diretor de marketing, Frederico Mourão e Bruno Spindel, gerentes de marketing – que dirigem o departamento no Rio de Janeiro e polarizam os assuntos do cotidiano. O trio gera um custo mensal ao Flamengo de aproximadamente R$ 50 mil.

Orientações para evitar fiscalização

A alta cúpula do Flamengo ordenou, na quinta-feira, que seguranças e porteiros do clube não recebessem qualquer notificação para evitar novos problemas depois que fiscais do Procon estiveram na Gávea, na quarta-feira.

Por coincidência, muitos funcionários do clube não foram trabalhar ou, aqueles que estiveram na sede, deixaram o local mais cedo. A assessoria do Fla informou que as ausências se deram em razão de a maioria dos funcionários ter de trabalhar no aniversário do clube durante esta sexta-feira.

A Gávea estava sem luz desde terça-feira à noite em função de problemas no gerador interno. A energia só foi restabelecida no fim da manhã de quinta-feira.