icons.title signature.placeholder Michel Castellar
14/04/2014
13:11

Um acidente automobilístico na Barra da Tijuca, Zona Oeste, inviabilizou a manifestação que seria realizada nesta segunda-feira, pelos operários do Parque Olímpico, que estão em greve há 12 dias. O protesto foi remarcado para terça-feira, por causa dos problemas com o carro de som e a chegada dos protestantes ao local.

– Não estamos pedindo nada demais e o consórcio não aceita negociar. Vamos fazer a nossa manifestação, parar as duas pistas (da Avenida Abelardo Bueno, que passa em frente ao futuro Parque Olímpico) para chamar atenção, mas sem quebra-quebra – disse um dos dez membros da comissão que representa os operários na negociação o carpinteiro Jonathan do Valle.

Na quinta-feira, um acordo na Justiça do Trabalho previu o retorno dos grevistas às atividades. Pelo combinado, a greve terminaria e em até 30 dias uma solução seria encontrada.

Mas os trabalhadores, em assembleia, rejeitaram o acordo feito entre o Consórcio Rio Mais, responsável pelas obras, o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil do Rio de Janeiro (Sintraconst) e que foi aprovado pela comissão que representa os operários.

– Queríamos voltar e fazer como na China. Em que os operários retomam o trabalho mas a produção é baixa. O consórcio disse que só entramos quando for para valer, porque foi o acordado na Justiça – disse Jonathan do Valle.

As principais reivindicações dos trabalhadores são: R$ 300 de tíquete-assiduidade, hora extra paga em 100%, plano de saúde extensivo a família, programa de produtividade, grade de programa de capacitação ou qualificação. Além dos benefícios, há uma briga interna sobre qual o sindicato deve ter a representatividade dos operários.

Parte dos trabalhadores deseja ser representada pelo Sindicato dos Trabalhadores nas Industrias da Construção Pesada (Sitraicp) ao invés do Sintraconst.

– Não adianta brigar que a representatividade é do Sintraconst e se formos para a justiça vamos perder. A verdade é que é um querendo comer mais dinheiro do que o outro. Aí, fica essa briga – ressaltou Valle.

Além de Valle, o ajudante Carlos Alberto Oliveira dos Santos, outro integrante da comissão que representa os operários, nesta segunda-feira conseguiu que alguns trabalhadores recebessem o pagamento de algumas passagens ainda pendentes.